Novo Banco prevê pedir mais 540 milhões ao Fundo de Resolução

Banco teve prejuízos de 400 milhões na primeira metade do ano devido à venda de ativos tóxicos, como malparado. Ramalho anuncia que já prevê pedir 540 milhões ao Fundo de Resolução.

Apresentação de resultados do Novo Banco - 01MAR19
António Ramalho anunciou esta sexta-feira prejuízos de 400 milhões de euros.Hugo Amaral/ECO

Tendo em conta os prejuízos na primeira metade do ano, o Novo Banco já prevê pedir 540 milhões de euros ao Fundo de Resolução. Mas a compensação do final do ano ainda não está fechada, dado que vai depender do desempenho no segundo semestre.

O banco já tinha pedido ao Fundo de Resolução 1.150 milhões de euros este ano, já depois da injeção de 792 milhões em 2018, isto no âmbito do mecanismo de capital contingente que tem um valor de utilização total 3.900 milhões de euros. 2020 trará novo pedido de dinheiro.

“O Novo Banco tem os seus rácios de Common Equity Tier 1 (CET1) e Tier 1 protegidos em níveis predeterminados até aos montantes das perdas já verificadas nos ativos protegidos pelo Mecanismo de Capital Contingente. O montante de compensação de capital estimado nas contas do semestre é de 541 milhões de euros. A compensação do final do ano dependerá das perdas e custos, das recuperações e das exigências de capital em vigor à data”, diz a instituição em comunicado.

O banco apresentou esta sexta-feira prejuízos de 400 milhões de euros entre janeiro e junho, quase o dobro do resultado negativo obtido no mesmo período do ano passado.

Relativamente aos rácios, “a 30 de junho de 2019, o Novo Banco cumpria todos os rácios de capital exigidos pelo Banco Central Europeu (BCE) no âmbito do Processo de Análise e Avaliação pelo Supervisor (SREP – Supervisory Review and Evaluation Process)”.

O mecanismo de capital contingente funciona como uma espécie de garantia pública que é ativada pelo Novo Banco sempre que tem perdas com um conjunto de ativos problemáticos, como créditos em incumprimento, e isso coloca em causa a solidez do banco. Foi criado aquando da venda de 75% do capital aos americanos do Lone Star, em outubro de 2017. E já obrigou o Tesouro a emprestar dinheiro ao Fundo de Resolução — este ano emprestou 850 milhões de euros.

Em março, a comissão de acompanhamento da venda do Novo Banco disse no Parlamento que deverão ser usados 3.000 milhões de euros deste mecanismo. Luís Máximo dos Santos, vice-governador do Banco de Portugal que preside ao Fundo de Resolução, disse na mesma sede que ficaria “espantado” se o Novo Banco pedisse a totalidade dos 3.900 milhões de euros.

O Novo Banco tem em curso a venda de uma carteira de malparado no valor superior a 3.000 milhões de euros, o Projeto Nata 2. Este portefólio de grandes créditos deverá ser vendido com um grande desconto, o que vai gerar uma perda substancial para o banco e para o Fundo de Resolução.

(Notícia atualizada às 18h12)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco prevê pedir mais 540 milhões ao Fundo de Resolução

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião