BCP afunda pela oitava sessão. Já anulou todos os ganhos do ano

Banco liderado por Miguel Maya tem sido pressionado esta semana pelas perspetivas de redução na margem financeira. Investimento já passou a linha vermelha no acumulado do ano.

Após fortes ganhos no primeiro semestre do ano, as últimas semanas têm sido de queda acentuada para o banco liderado por Miguel Maya. Com o títulos a negociarem abaixo dos 22,40 cêntimos, a cotada já anulou todos os ganhos do ano. Há nove meses que as ações do BCP não valiam tão pouco.

A recuperação financeira do banco — em especial o regresso aos lucros, o pagamento de dividendos e a limpeza do malparado do balanço — animaram os investidores. A 16 de julho, as ações fechavam a sessão nos 28,89 cêntimos, o valor mais elevado em 2019 e que compara com os 22,95 cêntimos em que tinha fechado o ano anterior.

As perspetivas eram positivas e os bancos de investimento reviam em alta as recomendações. Mas depois chegou Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu (BCE), e avisou que a desaceleração económica pedia estímulos adicionais. Por toda a Zona Euro, os bancos começaram a antecipar uma descida nas taxas de juro que lhes penalizasse as margens financeiras.

Miguel Maya anunciava, na segunda-feira na apresentação de resultados, esperar que os últimos três meses do ano sejam “desafiantes”, apontando para a evolução das perspetivas da política monetária como um fator com “impacto importante”. No semestre, os lucros aumentaram de 12% para 170 milhões de euros, enquanto a margem financeira subiu 7,6% para 740 milhões de euros.

Mas a melhoria nas contas não chegou para entusiasmar. Todo o setor financeiro está sob pressão (até porque além do BCE, já estava em cheque com uma série de reestruturações na Europa) e a tentar encontrar formas de manter a rentabilidade.

O BCP já está a contactar alguns clientes institucionais, avisando que vai começar a cobrar-lhes uma nova comissão, no valor da taxa a que o banco central remunera os depósitos (-0,40%). O UBS e o Credit Suisse também já anunciaram que vão aplicar taxas negativas nos depósitos dos maiores clientes (o que é proibido em Portugal).

Os investidores parecem, no entanto, querer esperar para ver. Graças ao tombo de 3,56% para 22,22 cêntimos esta sexta-feira (para o valor mais baixo desde 29 de outubro de 2018) e a cair há oito sessões consecutivas, o BCP acumula uma desvalorização de 2,5% no acumulado do ano. O índice europeu que agrega os maiores bancos cai quase 4% este ano, enquanto o PSI-20 ainda está positivo com um ganho superior a 4%.

BCP desvaloriza 22% desde o máximo de julho

Trump afunda bolsas europeias

O BCP não foi, no entanto, a única cotada a cair na sessão. O vermelho predominou por todo o índice PSI-20, que fechou a perder 2,19% para 4.903,80 pontos, em linha com as principais praças europeias. Foi o pior desempenho desde 10 de outubro, igualando o registo dessa sessão. A Galp também afundou 4,03% para 13,45 euros, penalizada pelo tombo, na última sessão, dos preços do petróleo.

As cotadas mais expostas aos mercados internacionais foram as mais penalizadas. No papel, a Altri caiu 3,52% para 5,48 euros, a Navigator desvalorizou 3,59% para 2,89 euros e a Semapa recuou 0,50% para 11,90 euros. A construtora Mota-Engil perdeu 4,77% para 1,73 euros.

Em sentido contrário, a EDP Renováveis escapou às perdas do índice. Depois de a agência Fitch ter feito uma avaliação positiva da execução do plano estratégico de António Mexia até 2022, a eólica somou 0,32% para 9,41 euros.

Lisboa acompanha perdas da Europa

A principal causa para o sentimento negativo a nível global foi a nova subida de tensão na guerra comercial. O presidente norte-americano Donald Trump anunciou no Twitter que vai impor taxas alfandegárias suplementares de 10% sobre um total de 300 mil milhões de dólares de importações oriundas da China, a partir de 1 de setembro.

Com esta decisão, as alfândegas norte-americanas passam a cobrar taxas sobre todos os produtos oriundos da China. Decisão já mereceu críticas de Pequim, mas também a preocupação mundial. Receios de que este clima de tensão tenha um forte impacto no crescimento da economia mundial castigaram o petróleo e as ações.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou a cair 2,4%, enquanto o alemão DAX recuou 2,9%, o francês CAC 40 tombou 3,6%, o espanhol IBEX 35 perdeu 1,6%, o italiano FTSE MIB desvalorizou 2,4% e o britânico FTSE 100 cedeu 2,4%.

Em sentido contrário, os receios aumentaram a procura por dívida e, consequentemente, levaram a uma quebra nas yields. Toda a dívida alemã até aos 30 anos entrou, esta sexta-feira, em terreno negativo. O juro da dívida portuguesa a dez anos negociou nos 0,299%, aproximando-se do mínimo histórico de 0,278% tocado a 3 de julho.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

BCP afunda pela oitava sessão. Já anulou todos os ganhos do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião