Plano do Governo para Saúde “é positivo” mas “dinheiro sozinho não vai resolver a questão”, diz a bastonária da Ordem dos Enfermeiros

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros vê com bons olhos o investimento anunciado para a Saúde, mas aponta que é necessário saber onde serão alocadas as verbas.

O plano de reforço do orçamento da Saúde em 800 milhões de euros é “positivo”, mas é necessário saber onde serão alocadas as verbas, aponta a bastonária da Ordem dos Enfermeiros. Quanto à contratação de profissionais anunciada, falta também saber a distribuição, já que são necessários 3.000 enfermeiros por ano, defende Ana Rita Cavaco.

“Ficamos contentes que este plano tenha sido traçado porque há um problema efetivo no Sistema Nacional de Saúde (SNS)”, diz Ana Rita Cavaco, bastonária da Ordem dos Enfermeiros, ao ECO. No entanto, reitera que “o dinheiro sozinho não vai resolver a questão, tem de ser acompanhado de medidas”.

Para a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, o SNS é “centrado excessivamente nos hospitais e exclusivamente nos profissionais, nomeadamente nos médicos, e tem de estar centrado nas pessoas”, sendo que as medidas para o setor deveriam ir neste sentido.

O Governo anunciou também que iria contratar 8.400 trabalhadores, mas não adiantou a divisão por profissionais. “No caso da enfermagem temos uma carência grave, comprovada pelos números da OCDE”, aponta Ana Rita Cavaco. Enquanto a média da OCDE é de 8,8 enfermeiros por cada 1.000 habitantes, a de Portugal é de 6,7.

“Para atingir a média da OCDE tínhamos de contratar 3.000 por ano”, por isso, “se destes profissionais 3.000 forem enfermeiros, é adequado”, diz. A bastonária acrescenta ainda que o custo desta contratação seria de 64 milhões de euros por ano.

Apifarma saúda reforço e adoção de plano plurianual

A Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma) também reagiu ao anúncio, dizendo que o vê “com evidente satisfação“. “Estas são condições indispensáveis para oferecer os melhores cuidados de saúde aos cidadãos, mas também para promover uma gestão mais eficiente e um melhor planeamento e previsibilidade nas instituições do SNS”, diz a associação em comunicado.

“Não é possível gerir os hospitais – e a doença – sem as condições financeiras mínimas e num quadro de permanente suborçamentação. Confiamos que, quando efetivado, o conjunto de decisões políticas hoje anunciado contribuirá para que os doentes, os seus familiares e os portugueses se revejam com mais confiança nos cuidados públicos de saúde”, completa a Apifarma.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Plano do Governo para Saúde “é positivo” mas “dinheiro sozinho não vai resolver a questão”, diz a bastonária da Ordem dos Enfermeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião