Prémios de desempenho da Função Pública poderão ser pagos a 100%

  • ECO
  • 11 Dezembro 2019

Os prémios de desempenho atribuídos aos funcionários públicos, que estiveram congelados em 2018 e que foram pagos a 50% este ano, podem pagos a 100% em 2020. A proposta ainda está a ser discutida.

Os prémios de desempenho atribuídos aos funcionários públicos poderão voltar a ser pagos a 100% em 2020. Contudo, esta atribuição será destinada a quem tem melhor avaliação e mediante a disponibilidade orçamental. A proposta já foi entregue aos sindicatos e deverá ser discutida esta quarta-feira na reunião com o Governo.

Estes prémios, que estiveram congelados no passado e que foram pagos a 50% este ano, podem ser atribuídos aos trabalhadores que tenham tido a menção máxima ou a seguinte. Para isso, basta que os responsáveis fixem os cargos e as categorias que podem ser premiados até 15 dias após o início da execução do Orçamento e respeitando a dotação reservada para o efeito. Além disso, estão excluídos os trabalhadores que tenham alterado o seu posicionamento na categoria, avança o Jornal de Negócios (acesso condicionado).

Estando definido na lei um prémio de desempenho e não existindo qualquer limitação percentual à remuneração desse prémio [na proposta de lei do Orçamento do Estado], tudo faz concluir que o pagamento seja integral“, afirma Alexandre Sousa Pinheiro, professor de Direito Público, ao Negócios, para justificar atribuição do prémio a 100%.

No entanto, este incentivo poderá não agradar a todos os sindicatos. Ana Viola, dirigente da Frente Comum, considera que estes prémios são “discriminatórios”, lembrando que no Governo de José Sócrates “apenas” abrangeram “3.180 trabalhadores”. Esta quarta-feira há reunião entre Governo e sindicatos sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prémios de desempenho da Função Pública poderão ser pagos a 100%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião