Ironhack tem novos cursos. Programação e análise de dados têm emprego quase garantido

Gosta de tecnologia e já pensou em mudar o rumo da sua carreira? A Ironhack vai abrir novos cursos. Aposta nas duas profissões que mais irão crescer em 2020: programadores e analistas de dados.

Com a chegada do novo ano, chegam novos desejos e desafios. A pensar nisso, a Ironhack vai lançar dois novos cursos no arranque de 2020, de web development e data analytics, procurando formar profissionais em duas das profissões que mais irão crescer, segundo o World Economic Forum, a programação e a análise de dados.

Verifica-se uma escassez de recursos especializados nas áreas tecnológicas, pelo que há um enorme potencial de reconversão profissional. Apostar em educação em tecnologia é, por isso mesmo, cada vez mais, o rumo para um futuro de sucesso com oportunidades de progressão de carreira e salários competitivos. O novo ano é um excelente mote para fazer este reset“, refere Álvaro González, diretor-geral da Ironhack Lisboa, em comunicado.

Tendo em vista aqueles que procuram adquirir novas competências a nível tecnológico e com isso mudar o seu percurso profissional, inclusive, a Ironhack abre candidaturas até ao dia 25 de janeiro para a segunda edição dos bootcamps de web development e data analytics em regime part-time.

No curso de web development, os alunos irão aprender as bases do desenvolvimento web e a construção de experiências únicas para o utilizador, recorrendo a várias linguagens de código e, a cada três semanas, desenvolvem um projeto com as ferramentas ensinadas. Por sua vez, no curso de data analytics, os estudantes vão conseguir compilar, avaliar e interpretar dados para promover o desenvolvimento sustentável dos negócios, treinando a visão analítica com competências em programação e estatística.

Estando os bootcamps desenhados para qualquer pessoa com ou sem conhecimento na área tecnológica, de modo a conseguirem ingressar na Ironhack e estudar uma destas duas áreas, os candidatos deverão apenas ter mais de 18 anos, um domínio intermédio da língua inglesa e cumprir um trabalho prévio de preparação com 60 horas de fundamentos básicos sobre web development ou data analytics, conforme a inscrição que fizeram.

Cursos em part-time

Tendo em conta que “mudar de carreira pode ser uma decisão assustadora quando implica dar um passo atrás e começar de novo”, a Ironhack também leciona os cursos a tempo parcial. “Os nossos cursos em regime part-time são ideais para pessoas que pretendem, de facto, mudar de carreira, mas não podem simplesmente desistir do seu trabalho e deixar de ter um rendimento mensal”, diz Álvaro González.

Os cursos realizam-se das 19h00 às 22h00, segunda e quarta-feira ou terça e quinta-feira (dependendo da vertente selecionada), e sábado das 10h00 às 17h00. Têm uma duração de 24 semanas e uma carga de 400 horas, sendo que ambos vão arrancar a 11 de fevereiro — cada um com um custo total de 7.500 euros, podendo ser pago em mensalidades até 30 meses.

Emprego quase garantido

No final dos dois cursos, os alunos contarão ainda com o apoio da Ironhack para integrarem o mercado de trabalho. Ao organizar a “Hiring Week“, a escola promove uma semana em que recrutadores de diversas empresas conhecem e entrevistam os alunos recém-formados, trazendo-lhes, assim, a possibilidade de terminarem o curso já com uma vaga de emprego em vista.

Os cursos da Ironhack têm uma taxa de empregabilidade, até três meses depois dos alunos terem concluído o curso, na ordem dos 88%. Já foram formados mais de 130 alunos desde que chegou, há quase um ano, a Lisboa, sendo o bootcamp com o crescimento mais rápido em Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ironhack tem novos cursos. Programação e análise de dados têm emprego quase garantido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião