Taxa de sucesso no ensino profissional nunca foi tão alta

  • ECO
  • 10 Dezembro 2019

No ano letivo 2017/2018, 63% dos alunos inscritos no ensino profissional terminaram o curso nos três anos previstos. Este número está em máximos e "tem vindo a aumentar gradualmente".

São cada vez mais os alunos do ensino profissional que concluem os cursos nos três anos previstos, elevando esta taxa de conclusão dentro do “prazo” para os 63%, diz o Público (acesso pago). Este número mostra mesmo que a taxa de sucesso destes estudantes nunca foi tão alta.

Os dados mais recentes publicados pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), referentes ao ano letivo 2017/2018, mostram que cerca de 19.500 estudantes do ensino profissional terminaram os cursos em três anos, uma melhoria face a 2014/2015, em que tinham sido 15.600. Estes 19.500 alunos correspondem a 63% dos inscritos no ensino profissional, um número que “tem vindo a aumentar gradualmente”.

O mesmo relatório da DGEEC mostra que, entre os anos letivos 2014/2015 e 2017/2018, a taxa de abandono do ensino profissional baixou dois pontos percentuais: em 2017/2018, 12% dos alunos que tinham entrado numa destas formações três anos antes, abandonaram-nas sem conclusão.

Os números são mais positivos nas escolas profissionais privadas do que nas públicas. Enquanto na rede de escolas do Estado 59% dos alunos completam o curso nos três anos previstos, no setor privado esse valor é dez pontos percentuais mais elevado.

Mas também se conclui que, tal como no ano passado, os alunos que no ensino básico foram desviados para outras ofertas educativas, devido ao acumular de chumbos, são os que têm menos sucesso nos cursos profissionais do ensino secundário.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxa de sucesso no ensino profissional nunca foi tão alta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião