Saudi Aramco brilha na estreia em bolsa. Ganha 170 mil milhões no primeiro dia

Bolsa de Riade recebeu a estreia da maior empresa cotada em bolsa do mundo. Com uma avaliação inicial de 1,7 biliões de dólares que rapidamente subiu para 1,88 biliões de dólares.

A petrolífera saudita Aramco estreou-se esta quarta-feira na bolsa de Riade, após a maior oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) de sempre. Avaliada em 1,7 biliões de dólares, a empresa pública chega a Tadawul como a maior cotada do mundo. Uma flutuação de apenas 1% será um valor superior à portuguesa Galp Energia.

Na primeira sessão em bolsa, a petrolífera saudita não deixou os créditos em mãos alheias. As ações valorizaram 10%, o limite máximo previsto, até aos 35,2 riyals. Face a essa evolução, a Saudi Aramco passou a estar avaliada em 1,88 biliões de dólares.

“No primeiro dia de negociação apenas, o leilão inicial da Saudi Arabian Oil Company (Saudi Aramco) será prolongado por 30 minutos”, anunciou a Tadawul, em comunicado, antes da estreia. A bolsa de Riade acrescentou que o ticker da empresa é 2222 e que há uma limitação nas flutuações: não poderá valorizar ou desvalorizar mais de 10% por dia.

Foram colocadas à negociação apenas 3.000 milhões de ações (equivalente a 1,5% do capital da empresa), a um preço inicial de 32 riyals (8,53 dólares), o que significa que a Saudi Aramco não poderá ganhar ou perder mais de 170 mil milhões de dólares por dia.

Ou seja, caso as ações caiam até 7,68 dólares, o valor da empresa afunda até 1,53 biliões. Mas não perde a categoria de maior cotada do mundo já que a Apple vale atualmente 1,2 biliões de dólares e a Microsoft está avaliada em 1,16 biliões. Por outro lado, um ganho de 10% para 9,38 dólares por ação representa uma valorização para 1,87 biliões.

O preço dos títulos acabou por ser fixado no limite mais baixo do intervalo indicado antes da operação exatamente para evitar um forte volatilidade à entrada, mas mesmo que a flutuação seja limitada a 1%, é equivalente a 17 mil milhões de dólares. O montante compara com a avaliação 12,4 mil milhões de dólares da petrolífera portuguesa Galp Energia. E fica até acima do valor da EDP, a maior cotada na bolsa de Lisboa, que vale 14,8 mil milhões de dólares.

IPO ainda pode chegar a 29,4 mil milhões nos próximos 30 dias

A entrada em bolsa é a concretização de um plano de há muito tempo do príncipe Mohammed bin Salman, que pretende diversificar a economia saudita e diminuir a dependência do petróleo. O financiamento captado será reinvestido no Fundo de Investimento Público Saudita para promover o crescimento de outros setores.

No IPO, a Saudi Aramco levantou 25,6 mil milhões de dólares junto tanto de grandes investidores como de aforradores, mas este montante vai aumentar. Tendo em conta o forte interesse dos investidores — com uma procura global 4,7 vezes superior à oferta e 11 vezes superior só entre institucionais –, a petrolífera manteve o direito de opção que lhe permite vender mais ações.

A empresa anunciou esta terça-feira que decidiu acionar essa opção nos primeiros 30 dias de negociação das ações em bolsa, pelo que o total do IPO poderá ainda atingir os 29,4 mil milhões de euros.

O príncipe Mohammed bin Salman poderá também ainda decidir listar uma nova parcela do capital (a projeção inicial era de 5%) nas bolsas de Nova Iorque, Hong Kong ou Tóquio. Se acontecer, tornar-se-á mais fácil que investidores de retalho portugueses possam comprarem ações da Saudi Aramco. Para já, a empresa será cotada apenas na Tadawul, devendo manter-se principalmente nas mãos de investidores do país.

Antes da estreia da Saudi Aramco, a bolsa de Riade desvalorizou esta terça-feira 0,7%, pondo fim a um ciclo de ganhos que durou três sessões. As negociações foram pressionadas pelas quedas dos bancos do país, bem como pela apresentação do orçamento do Estado saudita em que o reino anunciou uma diminuição na despesa pública para 2020, após três anos em que apostou no investimento público para impulsionar o crescimento económico do país.

(Notícia atualizada às 16h30com informação sobre a cotação final da sessão)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saudi Aramco brilha na estreia em bolsa. Ganha 170 mil milhões no primeiro dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião