Qualquer localização para o novo aeroporto “vai ter sempre impacto ambiental”, diz administrador do Grupo Pestana

Os responsáveis do Grupo Pestana dizem ser urgente um novo aeroporto, bem como as obras de otimização da Portela enquanto a nova estrutura não está pronta. "Sem aeroporto não há turistas", notam.

Os administradores do Grupo Pestana voltaram a sublinhar a necessidade de se avançar com o aeroporto do Montijo, porque “sem aeroporto não há turistas”. E afirmam que qualquer sítio escolhido terá sempre impacto ambiental. Sem as obras de otimização do aeroporto da Portela, disseram, Lisboa não vai conquistar muitos mais turistas do que conquista hoje.

2017 foi o “grande ano em Portugal” para o setor turístico, em que a procura superou a oferta. Mas 2018 “já sentiu algum abrandamento” e 2019 ainda mais, disse José Theotónio, CEO do Grupo Pestana, esta quarta-feira, durante um encontro com jornalistas, onde se falou sobre a estratégia para os próximos anos. E este abrandamento, explicou, teve a ver com o problema da reestruturação do aeroporto de Lisboa.

“Sem aeroporto não há turistas, mesmo que haja procura, não haverá capacidade de os captar”, disse o responsável, apoiado pelo administrador José Roquette, que sublinhou que “as obras [de otimização da Portela] são fundamentais e urgentes, porque vai dar folga que o aeroporto aguente até que o novo [aeroporto do Montijo] fique pronto”.

Questionado sobre a localização escolhida pelo Governo para instalar o novo aeroporto, José Roquette disse que o Montijo é uma “boa” escolha, porque “tem espaço para crescer”. E o administrador foi ainda mais longe: “Percebo perfeitamente os temas ambientais. Mas escolham o lugar que quiserem, vai ter sempre impacto ambiental. Cabe ao Governo decidir os custos disso”.

Referindo que nem o hub de Lisboa poderá dar resposta a tanto turismo, José Roquette afirmou que, sem as obras na Portela, “Lisboa não pode ter grande ambição”. “As obras são urgentes e é importante que avancem. Mas não tenhamos ilusões. Nos próximos três a cinco anos, Lisboa não pode ter a ilusão de captar muitos mais turistas”, disse o administrador.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qualquer localização para o novo aeroporto “vai ter sempre impacto ambiental”, diz administrador do Grupo Pestana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião