“Precisávamos de Lisboa/Porto numa hora e um quarto” de comboio, diz ministro

  • Lusa
  • 12 Dezembro 2019

"O país precisava de ligação ferroviária que permitisse fazer a viagem Lisboa/Porto “numa hora e um quarto” e também uma ligação a Espanha “a velocidade mais alta”, diz ministro das infraestruturas.

O ministro das Infraestruturas defendeu esta quinta-feira que o país precisava de uma ligação ferroviária que permitisse fazer a viagem Lisboa/Porto “numa hora e um quarto” e também uma ligação a Espanha “a velocidade mais alta”.

“Em toda a nossa malha ferroviária, incluindo a ligação a Espanha, verdadeiramente o que nós precisamos, (…) há muito tempo, é de ter uma distância entre o Porto e Lisboa muito mais curta em tempo”, disse Pedro Nuno Santos, que falava no encontro “Os Desafios da Indústria Ferroviária Nacional”, em Lisboa.

Questionado sobre se o Governo tem planos para retomar o projeto do comboio de alta velocidade (TGV), o governante preferiu falar sobre “distância em tempo”.

“Precisávamos de Lisboa/Porto numa hora e um quarto. (…) Não falemos de siglas, falemos de tempo”, considerou.

Na opinião do ministro, encurtar o tempo da viagem de comboio entre aquelas duas cidades permitiria organizar a “economia de forma completamente diferente”.

Para Pedro Nuno Santos, o projeto do TGV é um debate que “tem de ser feito” e não constitui um “assunto tabu” para o Governo.

“Este debate tem de ser feito (…) sem nos saltar a tampa e começarmos a sonhar em linhas TGV por todo o lado”, advertiu o ministro, caso contrário, disse, Portugal corre o risco de ser “em poucos anos, o único país da União Europeia” fora daquilo a que chamou de rede de “velocidade boa”.

Em agosto, numa entrevista emitida no Canal 11, da Federação Portuguesa de Futebol, quando questionado sobre se uma eventual candidatura ibérica à organização do Mundial de Futebol de 2030 implicaria infraestruturas como uma ligação de TGV entre Lisboa e Madrid, o primeiro-ministro, António Costa, respondeu que o tema “é bastante tóxico em Portugal e a seu tempo é uma discussão que voltará”.

O primeiro-ministro disse ainda ter “quase a certeza” de que a questão voltaria à ordem do dia, “não numa discussão sobre a ligação entre Lisboa e Madrid, mas sobre a inserção de Portugal no conjunto da rede de alta velocidade na Península Ibérica”.

António Costa defendeu, no entanto, que ainda não é altura de o tema do TGV voltar à atualidade política: “Não está manifestamente maduro, nem há condições económicas nem condições financeiras no próximo quadro comunitário para que esse tema surja. Daqui a sete anos, eventualmente, é um tema que poderá voltar a surgir”, afirmou António Costa.

“Vamos ter um quadro institucional mais robusto para que daqui a sete anos possamos ter essa discussão [do TGV] com calma e serenidade, já estudada”, disse António Costa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Precisávamos de Lisboa/Porto numa hora e um quarto” de comboio, diz ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião