Cobrar aos grandes clientes? “Não foi um jeitinho que se fez” à banca, diz Faria de Oliveira

Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, rejeita que supervisor tenha feito "um jeitinho" à banca ao permitir que cobre pelos depósitos de grandes clientes financeiros.

Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, rejeita que o Banco de Portugal tenha feito “um jeitinho” à banca ao permitir que cobre pelos depósitos de grandes clientes financeiros, como seguradoras, fundos de pensões ou outros bancos. Também assegurou que nunca se irá cobrar juros negativos nos depósitos das famílias ou de PME.

“Não é jeitinho nenhum que se fez. É um problema real para o qual se encontrou uma solução face ao quadro atual”, disse Faria de Oliveira no Parlamento, onde foi chamado para explicar o pedido da banca para aplicar comissões nos depósitos de institucionais. O presidente da APB, que representa o setor bancário, respondia ao deputado comunista Duarte Alves, que tinha dito que o Banco de Portugal fez “um jeitinho” à banca ao abrir a porta a comissões variáveis nos saldos médios dos grandes clientes.

Faria de Oliveira explicou aos deputados os desafios que enfrentam os bancos. “O sistema bancário enfrenta uma situação de excesso de liquidez significativa, excesso que é depositado no BCE em condições de aplicação de taxa de juro negativa, o que tem um custo para os bancos”, expôs. E foi nesse sentido que a APB dirigiu ao supervisor no final de julho um pedido de interpretação de uma norma para passar este encargo para clientes institucionais “com poder financeiro, com poder de gestão” semelhante aos dos bancos.

Por outro lado, recordou Faria de Oliveira, “em nenhum outro país europeu que não Portugal existe a restrição de aplicar juros negativos nos depósitos dos clientes”, colocando os bancos portugueses em desvantagem regulatória face aos bancos europeus. Em Espanha já se discute, aliás, aplicar taxas negativas em depósitos acima dos 100 mil euros, adiantou.

Não é jeitinho nenhum que se fez. É um problema real para o qual se encontrou uma solução face ao quadro atual.

Faria de Oliveira

Presidente da APB

Entretanto, o Banco de Portugal já esclareceu os bancos: a comissão de manutenção em função do saldo médio só pode ser aplicada instituições de natureza financeira. “O bancos vão acatar o entendimento do Banco de Portugal”, assegurou Faria de Oliveira aos deputados. “Embora continuemos a considerar que temos razão, mas isso é outra discussão”, acrescentou depois.

Questionado sobre o facto de os bancos pretenderem cobrar a empresas públicas, Faria de Oliveira referiu que os bancos não fazem distinção “da natureza pública ou privada do capital da instituição”. Na verdade, além das seguradoras, fundos de pensões e bancos, há entidades públicas de natureza financeira que também poderão ser alvo desta comissão, designadamente a agência que faz a gestão da dívida pública, o IGCP.

O presidente da APB disse ainda que nunca foi intenção dos bancos cobrar pelos depósitos dos clientes particulares, nem de PME. “Nunca esteve em causa a enorme importância que damos aos depósitos, particularmente aos depósitos de particulares, PME e das empresas geral. A maior preocupação do sistema é a salvaguarda dos depósitos“, frisou.

Em Portugal, onde não é permitido aplicar juros negativos nos depósitos, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) já aplica uma comissão de 0,4% sobre os excedentes dos saldos médios mensais acima dos cinco milhões de euros a outros bancos. O BCP também cobra 0,4% nas contas em euros de entidades financeiras. E o BPI vai agravar no início do próximo ano a comissão de 0,3% para 0,5% que aplica nos depósitos de instituições financeiras.

(Notícia atualizada às 11h12)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cobrar aos grandes clientes? “Não foi um jeitinho que se fez” à banca, diz Faria de Oliveira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião