China e EUA chegam a acordo inicial. Novas negociações arrancam já

  • ECO
  • 13 Dezembro 2019

Vice-ministro do Comércio, Wang Shouwen, garantiu que o acordo inicial entre as duas potências está fechado. Irá implicar o recuo em parte das tarifas que já aplicadas, segundo o Wall Street Journal.

Havia acordo comercial, deixou de ser assim tão certo e já há novamente certezas. Os Estados Unidos e a China chegaram a um acordo inicial que reduz as tensões da guerra, confirmaram tanto o vice-ministro do Comércio chinês, Wang Shouwen, como o Presidente norte-americano Donald Trump.

A agência Bloomberg noticiou esta quinta-feira que os EUA e a China já teriam fechado os termos de um primeiro acordo comercial, faltando apenas a assinatura do Presidente Trump. O próprio tinha dito no Twitter que os termos estariam para “muito breve”. As notícias impulsionaram Wall Street e levaram o S&P 500 e o Nasdaq a tocarem máximos históricos no fecho da última sessão.

No entanto, esta sexta-feira houve informações contraditórias, que provocou nervosismo nos mercados acionistas norte-americanos. Num briefing com a imprensa, uma porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, citada pelo Wall Street Journal, não quis confirmar a existência de um acordo comercial com os EUA. Hua Chunying disse apenas que “qualquer acordo deve ser mutuamente benéfico”.

Levantou, assim, dúvidas sobre se o acordo está ou não fechado. Wang Shouwen confirmou agora que existe e abrange agricultura, propriedade intelectual, tecnologia e finanças. Não quis, no entanto, especificar quais as tarifas que vão ser eliminadas ou os pormenores do acordo.

Após uma hora da abertura, as bolsas norte-americanas inverteram a tendência negativa e entraram em “terreno” positivo graças à confirmação. Mais tarde, Trump usou o Twitter para confirmar o acordo inicial e para anunciar que a segunda fase de negociações, para um acordo final, não vai esperar pelas eleições presidenciais nos EUA (em novembro).

“Chegámos a um acordo inicial muito grande com a China. Eles concordaram em várias mudanças estruturais e compras massivas de produtos agrícolas, energia, produtos industriais e muito mais”, anunciou o presidente dos EUA.

As tarifas sancionatórias previstas para 15 de dezembro não serão implementadas porque conseguimos este acordo. Vamos começar as negociações para uma fase dois imediatamente, em vez de esperar pelas eleições de 2020. É um fantástico acordo para eles”, acrescentou.

(Notícia atualizada às 16h30)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China e EUA chegam a acordo inicial. Novas negociações arrancam já

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião