ADSE só financia faturas submetidas no e-fatura

Para obter financiamento da ADSE, os beneficiários têm de ter as faturas no sistema eletrónico do Fisco. Para além disso, os cuidados prestados têm de ser descritos de forma clara.

As faturas que não tenham sido submetidas no sistema e-fatura não serão financiadas pela ADSE, nem aquelas que foram objeto de anulação ou emissão de nota de crédito. Para além disso, os cuidados de saúde ou bens e serviços que não sejam descritos de forma clara também não serão aceites pelo subsistema de saúde dos funcionários públicos.

As alterações ao decreto-lei que determina os documentos a serem entregues pelos beneficiários para obter as comparticipações do subsistema de saúde constam na versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2020, a que o ECO teve acesso.

Já no decreto de lei de execução orçamental do ano passado foi definido que a ADSE pode verificar junto da Autoridade Tributária e Aduaneira as faturas que lhe chegam dos beneficiários. Agora, passa a ser obrigatório que as faturas se encontrem no sistema eletrónico.

No que diz respeito aos cuidados de saúde ou bens e serviços fornecidos aos beneficiários, estes têm de estar descritos de forma clara na fatura, fatura-recibo ou fatura simplificada, de forma a que possam ser identificados nas tabelas de regras e preços da ADSE.

A lei diz ainda que não serão financiadas as faturas cujo valor respeite a mais de uma consulta, e que, para efeitos de reembolso, também não é aceite que haja fracionamento da faturação de atos ou cuidados de saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ADSE só financia faturas submetidas no e-fatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião