Contratos de renda acessível fora da fiscalização prévia do Tribunal de Contas

Os contratos destinados à promoção de habitação acessível ou pública ou alojamento estudantil vão passar a não estar sujeitos à fiscalização prévia do Tribunal de Contas.

O Governo quer deixar fora da fiscalização prévia do Tribunal de Contas (TdC) os contratos destinados à promoção de habitação acessível ou pública ou alojamento estudantil, refere uma versão preliminar do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) a que o ECO teve acesso.

No documento, o Executivo de António Costa refere que excluídos desta fiscalização estão “os contratos e demais instrumentos jurídicos que tenham por objeto a prestação de serviços de elaboração e revisão de projeto, fiscalização de obra, empreitada ou concessão destinada à promoção de habitação acessível ou pública ou o alojamento estudantil“.

Também isentos passarão a estar os “contratos-programa, acordos e ou contratos de delegação de competências, e respetivos atos de execução, celebrados entre autarquias locais, bem como entre uma autarquia local e uma entidade do setor empresarial local, por via dos quais sejam transferidas competências, constituído mandato para a sua prossecução ou assumido o compromisso de execução de determinadas atividades ou tarefas”.

Esta mudança acontece poucos dias depois de os presidentes das câmaras do Porto e de Lisboa terem feito pressão sobre o TdC para que esta emita um parecer favorável sobre o projeto de rendas acessíveis de São Lázaro e a reconversão do Matadouro do Porto.

No início de dezembro, o Governo aprovou novas regras para as PPP e uma das alterações prevê que as parcerias na habitação, decorrentes da Lei de Bases da Habitação, fiquem fora do regime de PPP. Esta alteração à lei, conjugada com outra que exclui as autarquias da aplicação do regime de PPP, abre a porta às autarquias do Porto e de Lisboa avançarem com os dois projetos em questão, que foram chumbados há meses pelo TdC.

Para Fernando Medina e Rui Moreira, esta “clarificação do Governo” é o que bastava para o TdC acelerar o desfecho destes processos que, dizem, foram chumbados injustificadamente. “Espero que agora, com o decreto-lei publicado e promulgado, o TdC despache favoravelmente os processos”, disse Fernando Medina na semana passada, numa conferência de imprensa conjunta com Rui Moreira, na Câmara de Lisboa. Feita esta alteração, os autarcas anunciaram que enviaram ao TdC uma “informação” para “recordar” e pressionar a entidade a tomar uma atitude.

Depois destas declarações, o TdC reagiu e afirmou que os recursos interpostos por ambas as autarquias estão em análise, assegurando que o processo considerará as alterações legislativas. Numa resposta escrita à Lusa, o TdC reforçou que “atua de forma independente e decide de acordo com a Constituição e a Lei”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contratos de renda acessível fora da fiscalização prévia do Tribunal de Contas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião