Bruxelas diz estar preocupada por prazo “limitado” para negociar acordo comercial após o Brexit

  • Lusa
  • 17 Dezembro 2019

A Comissão Europeia está preocupada com “prazo limitado” para negociar com o Reino Unido a futura relação comercial após a concretização do Brexit. Admite dificuldades para conseguir um acordo.

A Comissão Europeia admitiu esta terça-feira estar preocupada com o “prazo limitado” estipulado para negociar com o Reino Unido a futura relação comercial após a concretização do Brexit, admitindo dificuldades para conseguir um acordo até final de 2020.

“Estamos preocupados porque o período de que dispomos para negociar um futuro acordo comercial [com o Reino Unido] vai ser muito limitado e julgamos que será difícil chegar a um acordo exaustivo no prazo previsto”, declarou o vice-presidente do executivo comunitário para a área económica, Valdis Dombrovskis.

Falando em conferência de imprensa à margem da sessão plenária do Parlamento Europeu, na cidade francesa de Estrasburgo, Valdis Dombrovskis indicou que o negociador chefe da União Europeia (UE) para o Brexit, Michel Barnier, apresentou esta terça-feira, na reunião do colégio de comissários, “um ponto de situação atualizado” sobre este processo, na sequência da vitória dos conservadores nas eleições britânicas.

“Primeiro que tudo, acreditamos que o resultado das eleições traz claridade ao processo e esperamos para breve uma ratificação do acordo de saída no parlamento britânico”, referiu o comissário europeu.

Valdis Dombrovskis mostrou-se menos otimista relativamente ao acordo comercial, dadas as datas estipuladas.

“Ainda não começaram as negociações, mas de facto parece-nos um prazo muito apertado”, reforçou o responsável.

E adiantou: “Vamos ver o que conseguimos”.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, quer proibir por lei qualquer prolongamento para além de 2020 do período de transição após o Brexit em 31 de janeiro, adiantou esta terça-feira uma fonte do governo.

“O nosso programa indicou claramente que não prolongaríamos o período de transição e a nova lei que implementa o acordo de saída vai proibir legalmente o governo de aceitar qualquer extensão”, vincou a fonte do governo.

A medida deverá ser inserida na legislação que regula o acordo de saída do Reino Unido da UE que o governo quer submeter ao parlamento na sexta-feira.

“Na semana passada, o público votou num governo que concretizaria o Brexit e permitiria que este país avançasse. E é exatamente isso que planeamos fazer esta semana”, afirmou a mesma fonte.

No programa eleitoral do Partido Conservador, que ganhou as eleições da passada quinta-feira com uma maioria absoluta de 365 deputados, está escrito que o processo de aprovação da legislação começaria antes do Natal para garantir a saída a 31 de janeiro.

O programa refere também que o Reino Unido não iria estender o período de implementação, também conhecido por período de transição, em que o Reino Unido continua a aplicar as regras europeias, incluindo a liberdade de circulação, a ter acesso ao mercado único.

Durante esses onze meses, Londres e Bruxelas vão negociar um novo acordo de comércio livre e cooperação entre as duas partes, mas vários analistas e até o negociador-chefe da UE, Michel Barnier, admitiram ser “pouco realista” concluir tudo naquele prazo.

O período de transição pode ser prorrogado por até dois anos, a fim de evitar uma rutura drástica e caótica das relações económicas se as duas partes não concluírem as negociações.

O pedido tem de ser apresentado por Londres até 1 de julho de 2020.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Bruxelas diz estar preocupada por prazo “limitado” para negociar acordo comercial após o Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião