Fragmentação do Reino Unido? Dois lados do Brexit resignados

  • Lusa
  • 24 Novembro 2019

Estudo "Futuro de Inglaterra", realizado pelas universidades de Cardiff e Edimburgo revela que os pró-europeus estão dispostos a sacrificar a União para garantir a permanência na UE.

A fragmentação do Reino Unido é cada vez mais vista pelos britânicos como uma consequência inevitável do ‘Brexit’, tanto pelos adeptos da saída da União Europeia como pelos que preferem que o país fique na UE, indica um estudo académico.

Até recentemente, este sentimento era identificado sobretudo entre os eurocéticos ingleses, mas a última versão do estudo “Futuro de Inglaterra”, realizado pelas universidades de Cardiff e Edimburgo e que abrangeu habitantes de Inglaterra, Escócia e País de Gales, descobriu que também os pró-europeus estão dispostos a sacrificar a União para garantir a permanência na UE.

O estudo constatou que metade dos entrevistados no País de Gales (47%), mais de metade na Inglaterra (52%) e quase dois terços na Escócia (61%) acham que o ‘Brexit’ levará muito provavelmente à rutura do Reino Unido e uma grande parte nos dois lados considera que este é um preço a pagar pela permanência na UE ou por “recuperar o controlo das leis, dinheiro e fronteiras”, como defendem os eurocéticos.

“Conseguir resolver o ‘Brexit’ à maneira deles é mais importante para ambos os lados do debate do que a integridade territorial do país, as pessoas estão dispostas a desistir das atuais fronteiras”, explicou à agência Lusa Richard Wyn Jones, professor especialista em política e nacionalismo na universidade galesa e um dos responsáveis pelo estudo.

De certa forma, acrescentou, este é o resultado do acordo negociado pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, com Bruxelas em novembro, e que o Partido Democrata Unionista (DUP) denunciou como uma “traição” à Irlanda do Norte por deixar o território alinhado com muitas das regras do mercado único.

“O acordo trata a Irlanda do Norte de uma forma que altera profundamente a União, porque fica, na prática na União Europeia”, apesar de o partido Conservador ser oficialmente unionista, refere Jones.

Os partidos Trabalhista, Conservador e Liberal Democrata são unânimes em defender a integridade do Reino Unido, que junta a Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, mas o Partido Nacionalista Escocês (SNP), que se opõe ao ‘Brexit’, quer a independência.

A líder do SNP, Nicola Sturgeon, já faz depender o seu apoio a um potencial governo minoritário do trabalhista Jeremy Corbyn de uma autorização para repetir um novo referendo em 2020, alegando que o ‘Brexit’ mudou a opinião pública desde a consulta de 2014, quando 55% dos escoceses votaram contra a independência.

Na Irlanda do Norte, o Sinn Féin, que também é anti-‘Brexit’, argumenta que uma saída britânica da UE deve desencadear um referendo no território sobre a possível agregação à vizinha República da Irlanda porque a Irlanda do Norte votou maioritariamente no referendo de 2016 para ficar na UE.

“As pessoas individualmente podem professar um apego à União, mas o ‘Brexit’ mostrou que a maioria no Reino Unido são unionistas ambivalentes, que agora a consideram dispensável chegar ao seu objetivo no ‘Brexit’. Como é visível, tanto nos eleitores que querem sair como nos que querem permanecer [na UE], isto confirma a forma como o debate sobre o ‘Brexit’ polarizou os eleitores britânicos”, resumiu Ailsa Henderson, outra das responsáveis do estudo e professora de ciência política na Universidade de Edimburgo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fragmentação do Reino Unido? Dois lados do Brexit resignados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião