Fragmentação do Reino Unido? Dois lados do Brexit resignados

  • Lusa
  • 24 Novembro 2019

Estudo "Futuro de Inglaterra", realizado pelas universidades de Cardiff e Edimburgo revela que os pró-europeus estão dispostos a sacrificar a União para garantir a permanência na UE.

A fragmentação do Reino Unido é cada vez mais vista pelos britânicos como uma consequência inevitável do ‘Brexit’, tanto pelos adeptos da saída da União Europeia como pelos que preferem que o país fique na UE, indica um estudo académico.

Até recentemente, este sentimento era identificado sobretudo entre os eurocéticos ingleses, mas a última versão do estudo “Futuro de Inglaterra”, realizado pelas universidades de Cardiff e Edimburgo e que abrangeu habitantes de Inglaterra, Escócia e País de Gales, descobriu que também os pró-europeus estão dispostos a sacrificar a União para garantir a permanência na UE.

O estudo constatou que metade dos entrevistados no País de Gales (47%), mais de metade na Inglaterra (52%) e quase dois terços na Escócia (61%) acham que o ‘Brexit’ levará muito provavelmente à rutura do Reino Unido e uma grande parte nos dois lados considera que este é um preço a pagar pela permanência na UE ou por “recuperar o controlo das leis, dinheiro e fronteiras”, como defendem os eurocéticos.

“Conseguir resolver o ‘Brexit’ à maneira deles é mais importante para ambos os lados do debate do que a integridade territorial do país, as pessoas estão dispostas a desistir das atuais fronteiras”, explicou à agência Lusa Richard Wyn Jones, professor especialista em política e nacionalismo na universidade galesa e um dos responsáveis pelo estudo.

De certa forma, acrescentou, este é o resultado do acordo negociado pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, com Bruxelas em novembro, e que o Partido Democrata Unionista (DUP) denunciou como uma “traição” à Irlanda do Norte por deixar o território alinhado com muitas das regras do mercado único.

“O acordo trata a Irlanda do Norte de uma forma que altera profundamente a União, porque fica, na prática na União Europeia”, apesar de o partido Conservador ser oficialmente unionista, refere Jones.

Os partidos Trabalhista, Conservador e Liberal Democrata são unânimes em defender a integridade do Reino Unido, que junta a Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, mas o Partido Nacionalista Escocês (SNP), que se opõe ao ‘Brexit’, quer a independência.

A líder do SNP, Nicola Sturgeon, já faz depender o seu apoio a um potencial governo minoritário do trabalhista Jeremy Corbyn de uma autorização para repetir um novo referendo em 2020, alegando que o ‘Brexit’ mudou a opinião pública desde a consulta de 2014, quando 55% dos escoceses votaram contra a independência.

Na Irlanda do Norte, o Sinn Féin, que também é anti-‘Brexit’, argumenta que uma saída britânica da UE deve desencadear um referendo no território sobre a possível agregação à vizinha República da Irlanda porque a Irlanda do Norte votou maioritariamente no referendo de 2016 para ficar na UE.

“As pessoas individualmente podem professar um apego à União, mas o ‘Brexit’ mostrou que a maioria no Reino Unido são unionistas ambivalentes, que agora a consideram dispensável chegar ao seu objetivo no ‘Brexit’. Como é visível, tanto nos eleitores que querem sair como nos que querem permanecer [na UE], isto confirma a forma como o debate sobre o ‘Brexit’ polarizou os eleitores britânicos”, resumiu Ailsa Henderson, outra das responsáveis do estudo e professora de ciência política na Universidade de Edimburgo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fragmentação do Reino Unido? Dois lados do Brexit resignados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião