Rui Rio disponível para acordos em nome do país, mesmo que o critiquem

  • Lusa
  • 24 Novembro 2019

Rio diz que é preciso promover a abertura do PSD à sociedade, de modo a contribuir para "eliminar o real divórcio" entre a política e os partidos.

O atual presidente e candidato à liderança do PSD, Rui Rio, reafirmou que, se ganhar as eleições, estará disponível para acordos “estruturais” em nome do país, mesmo que o critiquem.

“Podem muitos criticar o que quiserem porque o que eu estou a dizer advém de muitos anos que ando nesta vida. Tenho a consciência clara do que o país precisas (…) e ou nós estamos capazes, em nome do interesse coletivo, de fazermos aquilo que necessitamos de fazer com outros [partidos], ou se não o fizermos o nosso futuro será pior”, afirmou.

Rui Rio falava no Fundão, distrito de Castelo Branco, onde teve lugar o II Congresso da Coesão Territorial, iniciativa organizada pela Juventude Social Democrata (JSD) e na qual também participam os candidatos Miguel Pinto Luz e Luís Montenegro.

Com intervenções separadas, Rui Rio foi o primeiro a usar da palavra e começou por sublinhar que se candidata para “servir o país”, com os objetivos de ajudar a conquistar melhores salários, melhores serviços públicos e melhor qualidade de vida.

“Resumindo, queremos construir um país que facilite os portugueses a encontrarem o caminho para a felicidade”, apontou.

Já a nível partidário, sublinhou que quer um PSD com mais câmaras, com uma oposição credível e com mais ligação à sociedade.

Para este candidato “é vital” que o partido se reúna para conquistar mais juntas de freguesia, mais câmaras e também mais vereadores.

Lembrando que o PSD não pode continuar a ter 11% em Lisboa ou 10% no Porto, Rui Rio frisou que o PSD terá de ganhar mais vereador e ter “mais representação”, mesmo nas autarquias onde o partido não consiga a vitória.

“A aposta nas autarquias é vital para o futuro do país e do PSD”, acrescentou.

Sublinhou ainda a necessidade de se continuar a promover a abertura do PSD à sociedade, de modo a contribuir para “eliminar o real divórcio” entre a política e os partidos.

A questão de como irá exercer o papel de oposição foi também abordada por Rui Rio, que mantém a ideia de que quer uma “oposição credível” e capaz de “concordar”, quando é caso disso.

“Grandeza é saber concordar, estar sempre contra é fraqueza”, referiu, sublinhando que os “portugueses não esperam um combate de boxe” e que a “oposição destrutiva dá cabo da credibilidade dos partidos”.

Este responsável não esqueceu o atual “xadrez” existente na Assembleia da República e salientou que aquela composição “não permite criar um país com melhores salários, com melhor qualidade de vida e com melhores serviços públicos.

Por isso mesmo, reiterou, o próximo líder do PSD tem de “preparar o partido para governar”.

À saída, Rui Rio cruzou-se com Miguel Pinto Luz, revelando-lhe que tinha sido muito aplaudido.

Já em resposta aos jornalistas, garantiu que não quer “alimentar” troca de argumentos em público e que a expectativa é ganhar as eleições marcadas para dia 11 de janeiro de 2020.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio disponível para acordos em nome do país, mesmo que o critiquem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião