Há 24 concelhos em Portugal com menos de três agências bancárias

  • Lusa
  • 24 Novembro 2019

Vila Velha de Ródão e Vila Nova da Barquinha tinham apenas uma agência no final de 2018. Em sentido oposto, os concelhos com mais agências bancárias são Lisboa (392), Porto (171) e Sintra (95),

24 concelhos em Portugal com menos de três agências bancárias, sendo que Vila Velha de Ródão e Vila Nova da Barquinha tinham apenas uma agência cada um no final de 2018, segundo dados do Banco de Portugal.

De acordo com os dados que constam das séries longas do setor bancário (1990-2018), divulgadas esta terça-feira, no final de 2018, não existiam concelhos sem agências bancárias. Contudo, existiam dois municípios com apenas uma agência, Vila Velha de Ródão (distrito de Castelo Branco) e Vila Nova da Barquinha (Santarém).

Vila Velha de Ródão teve duas agências entre 1993 e 2014, sendo que desde 2015 tem apenas uma. Já Vila Nova da Barquinha teve duas agências desde 1990, o início da série, sendo que em 2016 passou a ter apenas um balcão.

concelhos com apenas duas agências bancárias são 22, situados sobretudo em regiões do interior de Portugal continental e nos Açores, sendo esses Almodôvar, Barrancos, Cuba, Freixo de Espada à Cinta, Vila de Rei, Góis, Penela, Mourão, Fornos de Algodres, Manteigas, Castanheira de Pera, Alter do Chão, Arronches, Castelo de Vide, Nisa, Chamusca, Constância, Golegã, Sardoal, Corvo, Lajes das Flores e Santa Cruz das Flores.

Há ainda 49 concelhos que, no final de 2018, tinham apenas três balcões. Esses municípios são:

  • Alvito,
  • Ferreira do Alentejo,
  • Mértola,
  • Ourique,
  • Vidigueira,
  • Terras de Bouro,
  • Carrazeda de Ansiães,
  • Vila Flor, Penamacor,
  • Miranda do Corvo,
  • Pampilhosa da Serra,
  • Vila Nova de Poiares,
  • Alandroal,
  • Portel,
  • Alcoutim,
  • Castro Marim,
  • Monchique,
  • Vila do Bispo,
  • Celorico da Beira,
  • Meda,
  • Figueiró dos Vinhos,
  • Pedrógão Grande,
  • Crato,
  • Fronteira,
  • Gavião,
  • Marvão,
  • Monforte,
  • Alpiarça,
  • Ferreira do Zêzere,
  • Paredes de Coura,
  • Boticas,
  • Mesão Frio,
  • Murça,
  • Sabrosa,
  • Santa Marta de Penaguião,
  • Armamar,
  • Penalva do Castelo,
  • Penedono,
  • São João da Pesqueira,
  • Sernancelhe,
  • Tarouca,
  • Vila Nova de Paiva,
  • Calheta S. Jorge,
  • Vila do Porto,
  • Ponta do Sol,
  • Porto Moniz,
  • Porto Santo,
  • Santa Cruz,
  • Santana.

Em sentido oposto, os concelhos com mais agências bancárias são Lisboa (392), Porto (171) e Sintra (95), acompanhando a dimensão da população e o tecido económico.

O ‘top 10’ dos concelhos com mais balcões é ainda composto por Cascais (74), Oeiras (65), Braga (65), Coimbra (62), Loures (58), Matosinhos (55), Almada (54).

Os bancos têm vindo a reduzir a sua estrutura nos últimos anos, incluindo com o fecho de balcões, justificando com a necessidade de cortar custos, o desenvolvimento da digitalização e o menor recurso dos clientes às agências bancárias.

Nos últimos anos foi polémico o fecho de balcões sobretudo pelo banco público, a Caixa Geral de Depósitos (CGD), motivando protestos das populações e de autarcas.

Segundo os dados do Banco de Portugal, na última década (2008-2018), foram cerca de duas mil as agências que encerraram.

De acordo com a informação, o número de balcões bancários no território nacional mais do que duplicou na década de 90, passando de menos de 2.000 em 1990 para um valor em torno dos 5.300 em 2000.

Depois de alguma estabilização nos primeiros cinco anos do novo milénio, verificou-se um novo aumento nos anos seguintes, atingindo-se um valor máximo perto de 6.500 em 2010.

Desde então, e em especial a partir de 2013, o número de balcões registou uma grande diminuição, situando-se em 4.054 no final de 2018.

Já em termos relativos face à população, em 2018, o número de agências por milhão de habitantes cifrava-se em 405 em Portugal, acima dos 395 da média da zona euro, segundo o Banco de Portugal.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 24 concelhos em Portugal com menos de três agências bancárias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião