Mais comissões? Bancos afastam novos aumentos no próximo ano

Caixa, BCP, Santander Totta, BPI e Novo Banco: os principais bancos portugueses afastam aumentos das comissões no próximo ano. Banqueiros criticam polémica em torno do tema.

Money Conference/EY - 22NOV19
Da esquerda para a direita: Rosália Amorim (Dinheiro Vivo), António Ramalho (Novo Banco), Miguel Maya (BCP), Pablo Forero (BPI), Paulo Macedo (CGD) e Pedro Castro e Almeida (Santander Totta).Hugo Amaral/ECO

Os principais bancos portugueses afastam aumentos das comissões no próximo ano. Os banqueiros criticaram a polémica que tem sido criada em torno do tema, argumentando que os serviços bancários devem ser pagos como qualquer outro serviço.

Paulo Macedo, da Caixa Geral de Depósitos (CGD), reafirmou o que tinha dito na apresentação dos resultados, dizendo que não está nos planos aumentar as comissões para lá das que já foram anunciadas, e instou os outros bancos a serem tão transparentes como o banco público nesta matéria.

A mesma pergunta sobre política de comissões em 2020 foi colocada aos presidentes dos outros bancos presentes na Money Conference, organizada pelo Dinheiro Vivo e TSF.

Do lado do Santander Totta, Pedro Castro e Almeida revelou que o banco “não prevê grandes alterações” em termos de comissões. “Mais do que aumentar comissões é como podemos ter os clientes fidelizados e fazer com que os clientes saibam que serviços usufruem pelas comissões que pagam”, disse o presidente do Santander Totta, lembrando que há serviços dos bancos que os clientes usufruem e pelos quais não paga nada.

“Se o cliente vai ao multibanco não paga comissão. Se consulta saldos, não paga comissão. Se vai à app, que tem o seu custo, também não paga”, recordou.

Para Castro e Almeida, “a comissão está associada a um serviço” e “tem de haver a perceção do serviço” para que o cliente valorize o serviço que tem e esteja disposto a pagar a comissão. “Isto acontece em qualquer setor”, disse o líder do Santander Totta.

A seu lado, o presidente do BPI também disse que o banco não irá aumentar comissões. “Também não temos planeada nenhuma mudança”, disse.

Miguel Maya colocou o tema na melhoria do serviço: se o BCP conseguir melhorar o serviço que presta aos clientes, há espaço para melhorar o preço. “Se pagar mais posso comer melhor”, disse ainda assim. Em resposta a Macedo, Miguel Maya sublinhou que não há falta de transparência neste tema, lembrando que o Banco de Portugal tem um comparador de comissões.

O líder do Novo Banco, António Ramalho, afirmou que o tema das comissões tem “um interesse muito reduzido”. Adiantou, porém, que o não fez nenhuma alteração de preçário, mas que “seguramente” o Novo Banco estará atento ao mercado. “Se melhorarmos o serviço, temos muito gosto em prestá-lo aos clientes. É isto que os clientes querem de nós”, disse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais comissões? Bancos afastam novos aumentos no próximo ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião