França enfrenta greve geral contra reforma do sistema de pensões

  • Lusa
  • 17 Dezembro 2019

Em causa está a reforma nas pensões, que substitui os 42 sistemas de pensões que existem no país. Professores, advogados, magistrados, médicos e profissionais da saúde vão manifestar-se esta 3ª-feira.

França enfrenta esta terça-feira a possibilidade de uma paralisação total do país, com greves convocadas por todos os sindicatos para protestar contra a proposta de reforma do sistema de pensões apresentada pelo Governo.

Professores, advogados, magistrados, médicos e profissionais da saúde e outros funcionários públicos, além de trabalhadores de todos os transportes, estão convocados para uma greve geral que os sindicatos pretendem que seja “decisiva” e uma grande manifestação durante o dia.

A proposta de reforma do sistema de pensões em França tem causado muita contestação, contabilizando-se esta terça-feira o 13º dia de greve no setor dos transportes que ameaça durar até ao final do ano, sem pausas nem tréguas para as viagens de Natal e passagem de ano.

Várias universidades já anunciaram que vão adiar os exames de final de ano.

Sem sinais de aproximação entre Governo e sindicatos, o executivo sofreu na segunda-feira uma “derrota” com a demissão do alto-comissário francês que idealizou a reforma, Jean-Paul Delevoye, na sequência de acusações de conflito de interesses por ter omitido outras funções que acumulava.

A reforma, apresentada em julho e com mais detalhes na semana passada, visa criar um sistema universal de pensões para substituir os atuais 42, vários representando regimes especiais e que permitem, por exemplo, deixar de trabalhar mais cedo.

Estes regimes incluem os trabalhadores dos setores dos transportes como a SNCF, empresa ferroviária, ou a RATP, empresa de transportes da região de Paris, mas não só, o que levou muitos outros setores a juntaram-se aos protestos.

Ao contrário do que acontecia até agora, em que no setor público o cálculo da pensão é feito com base no salário recebido nos últimos seis meses de funções para os trabalhadores do público e na média dos melhores 25 anos de salário para os do privado, entrará em vigor um sistema de pontos – cada ponto corresponde a 10 euros descontados com pontos adicionais a serem recebidos pelo nascimento de cada filho ou em caso de um período de desemprego.

Este novo sistema também poderá levar, progressivamente, a um aumento da idade da reforma que é atualmente de 62 anos, sendo possível a quem acumulou descontos durante 41 anos e nove meses, sair aos 60 anos com a pensão completa.

Ente outras medidas, a reforma do sistema prevê também que pensão mínima de 1000 euros só será garantida a quem deixar de trabalhar aos 64 anos, havendo incentivos com majoração de pontos para quem se reformar ainda mais tarde

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França enfrenta greve geral contra reforma do sistema de pensões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião