BRANDS' PESSOAS Diversidade Cognitiva. Quando ter demasiados cozinheiros na cozinha é bom

  • BRANDS' PESSOAS
  • 18 Dezembro 2019

A diversidade cognitiva das equipas gera variedade de perspetivas e valor acrescentado na tomada de decisão, como explica Joana Gonçalves Rebelo, EY Manager, People Advisory Services.

Conseguir resultados diferenciados e soluções de valor inovadoras mostra-se um desafio cada vez maior nos dias que correm, em que parece que tudo já foi inventado e visto. A busca de alternativas que saiam fora do padrão usual requer visões e abordagens a problemas sob lupas diferentes e que só por si tragam à luz ideias não exploradas que renovem o status quo. É assim que o conceito de diversidade cognitiva nas equipas ganha relevância e está, cada vez mais, presente na agenda das pessoas das empresas.

Desta forma, quando falamos em diversidade cognitiva referimo-nos à “capacidade do grupo de processar, perceber e interpretar informações e estímulos variados [….] com isso, a diversidade cognitiva da equipa gera uma grande variedade de perspetivas, ideias criativas, uma maior pluralidade de requisitos, melhores alternativas e um valor acrescentado no processo de tomada de decisão” (Mansoor, Ali & Al, 2013).

Construir equipas com diferenças nos seus backgrounds – experiências de vida, crenças pessoais, idade, etnicidade, percursos académicos, género etc. – vai permitir criar equipas cognitivamente diversas. É retirando valor dessas diferenças individuais que vamos conseguir impactar positivamente na resolução de problemas, na ideação, no desenvolvimento de planos estratégicos etc.

O processo de constituição de equipas com diversidade cognitiva começa no recrutamento e na consciencialização de potenciais preconceitos, que possam condicionar uma seleção diferenciada. Importa ir além da diferenciação do género, idade e aprofundar reais experiências de vida, conhecimentos, formas de interpretar informação e gerar ideias de forma a garantir uma multiplicidade de pontos de vista que podem surgir.

Depois de constituídas, as equipas precisam de ser geridas pois o seu potencial só é atingido quando a abundância de ideias é uma fonte de alternativas e de inovação e não uma fonte de conflito e desagregação.

Para melhor gerir equipas com tanta diversidade é necessário, em primeira mão, criar a consciência de como todos são diferentes e valorizar essa diferença. “Se os membros da equipa estiverem abertos aos valores, atitudes, crenças e comportamentos, se se aceitarem uns aos outros, o seu nível de satisfação aumentará. Com o aumento da satisfação eles ficarão motivados e motivarão outros, que em troca aumenta o nível de desempenho dos indivíduos e beneficia as equipes e a organização” (Mansoor, Ali & Al, 2013).

A diversidade cognitiva das equipas traz assim luz a ângulos mortos, já que a lupa que guia cada elemento releva temas e abordagens diferentes. Assim, a título de exemplo de casos improváveis de sucesso, “empresas tecnológicas estão a contratar guionistas, romancistas e poetas de Hollywood para ajudar a criar melhores interfaces de conversação. À medida que a disrupção se torna um elemento base do mundo empresarial, é mais importante do que nunca para as empresas nutrirem a diversidade cognitiva que também acompanha a diversidade profissional.” (Why your diversity and inclusion strategy should consider more than gender and background, EY thought Leadership)

Quão diversas são as suas equipas?

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Diversidade Cognitiva. Quando ter demasiados cozinheiros na cozinha é bom

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião