Carro ou scooter? É os dois. i.triu é português e quer ser uma solução na mobilidade urbana

  • Lusa
  • 21 Dezembro 2019

Human Mobility espera começar a pré-venda da i.triu, um micro veículo elétrico capaz de transportar dois adultos e uma criança, no início do próximo ano.

A empresa portuguesa Human Mobility está a desenvolver um micro veículo elétrico, o i.triu, que pretende ser uma solução de mobilidade urbana, com uma scooter integrada que faz parte da bateria e pode também ser autónoma.

Conforme explicaram à Lusa o diretor de Tecnologia da Human Mobility, Tiago Carita, e o responsável pelo designer, André Costa, o i.triu é um micro veículo elétrico desenhado para ter a largura máxima de uma mota, capaz de transportar dois adultos, sentados um à frente do outro, e uma criança pequena, que tem uma trotinete elétrica (scooter) que faz parte da bateria do carro, mas está também preparada para ser autónoma.

A scooter é a parte do projeto que está numa fase mais avançada de desenvolvimento, tendo sido submetida recentemente a patente e existindo já um protótipo que é “muito próximo do final”, explicaram.

A 3U last mile scooter será mais pequena do que os veículos deste género que já existem, uma vez que se pretende que seja uma solução para responder à questão da complexidade do espaço urbano.

O i.triu, cujo nome se deve ao facto de ter três rodas, vai compreender duas motorizações independentes: uma elétrica, para andar na cidade, e outra a combustão para chegar dos arredores aos centros urbanos, podendo circular em autoestrada e sendo uma solução para as questões de autonomia, normalmente associadas aos veículos elétricos.

Uma vez que a ideia é que o veículo ocupe pouco espaço, os promotores do projeto pensaram em instalar um periscópio que permitirá ao condutor ter uma maior visibilidade do trânsito.

O condutor poderá ver as imagens captadas pelo periscópio através de uma aplicação móvel que vai controlar todo o veículo, que terá também uma doca robótica (uma espécie de “mordomo” ou assistente pessoal).

Das características do i.triu, reveladas numa apresentação restrita, a que a Lusa teve acesso, destacam-se a capacidade de minimizar o consumo de energia e as emissões poluentes por ser “totalmente elétrico enquanto dirige em CBD [nos centros urbanos]”, ser “acessível, apesar de incluir soluções tecnológicas de ponta”, e estar pensado para uma “futura integração de ‘drones’ para transporte aéreo”.

Por sua vez, a scooter, além das características já referidas, terá “rastreamento remoto”, “sistema de bloqueio e alarme”, “funções de acionamento autónomo” e “sistema de ajuda para subir escadas”.

A Human Mobility espera começar a pré-venda da scooter no início do próximo ano, no entanto, o i.triu completo está ainda em fase de finalização do protótipo, que a empresa prevê que esteja pronto no final do verão de 2020, para começar a ser comercializado durante o ano seguinte.

A ideia é que o i.triu seja comercializado como um kit, para poder ser modelado pelo comprador.

O investimento inicial de 200 mil euros de uma business angel (investidor privado que aposta em empresas em fase inicial) permitiu, segundo a Human Mobility, que o projeto se desenvolvesse até à fase atual, estando agora os promotores a tentar reunir investidores para as fases que se seguem.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carro ou scooter? É os dois. i.triu é português e quer ser uma solução na mobilidade urbana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião