Governo quer apresentar em 2021 novos escalões de IRS com foco na classe média

  • ECO
  • 21 Dezembro 2019

A promessa de alterações nos impostos para as famílias dentro de um ano é feita pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, em entrevista ao Dinheiro Vivo.

O Governo pretende atualizar os escalões de IRS, em 2021, de forma a beneficiar a classe média. Em entrevista ao Dinheiro Vivo (acesso livre), o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, explicou que o objetivo é que seja implementado um novo desdobramento dos escalões.

“O que temos previsto quer no Programa de Estabilidade quer no do Governo é que já em 2021 possa haver novo desdobramento de escalões do IRS, incidindo sobretudo sobre os escalões mais suportados pela classe média“, afirmou Siza Vieira. “Na última legislatura, a redução do IRS não se fez sentir tanto na classe média e deve ser prioridade agora. Portanto, havendo condições, em 2021, iremos apresentar seguramente essa proposta”.

No Orçamento do Estado para 2020, o Governo anunciou uma atualização dos escalões de IRS em 0,3%. Ou seja, abaixo da taxa de inflação prevista pelo Executivo para o próximo ano, o que na prática significa que os contribuintes perdem poder de compra. A medida segue-se a um ano em que não houve sequer atualizações.

“Em 2019 os escalões do IRS não foram atualizados. Este ano demos já um passo para repor aquilo que foi o valor da inflação. É a maneira prudente e responsável de fazer caminho“, justificou Siza Vieira, ao Dinheiro Vivo.

“Temos a certeza de que a inflação este ano se situa à volta dos 0,3% portanto os escalões para o próximo ano são deste valor. No próximo ano podemos fazer o mesmo exercício. Isto dá previsibilidade à política fiscal. Famílias e empresas vão poder programar por estas boas práticas”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer apresentar em 2021 novos escalões de IRS com foco na classe média

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião