Centeno não vê “nenhum conflito de interesses” em sair do Governo para o Banco de Portugal

  • ECO
  • 21 Dezembro 2019

O ministro das Finanças fala sobre o futuro em entrevista ao Expresso. Por um lado, não é favorável à renovação de mandato no Eurogrupo. Por outro, não vê conflito em ir para o BdP após o Governo.

O ministro das Finanças não vê incompatibilidade em ocupar um cargo no Banco de Portugal após deixar a atual posição. Em entrevista ao Expresso (acesso pago), Mário Centeno deixa em aberto se está a considerar vir a ser governador do banco central. Quanto a um segundo mandato como presidente do Eurogrupo, diz-se favorável à limitação de mandatos.

Não vejo nenhum conflito de interesses“, respondeu Centeno, ao Expresso, quando questionado sobre a incompatibilidade de um ex-ministro das Finanças ser governador do Banco de Portugal. “Dou dois exemplos: um dos vice-presidentes do BCE foi ministro das Finanças de Espanha. E o meu colega eslovaco também transitou das Finanças para o banco central. Estou só a dar exemplos”, referiu.

Centeno iniciou há dois meses a segunda legislatura como Ministro das Finanças, que só termina em 2023. No entanto, têm surgido notícias sobre o futuro do governante e o próprio já admitiu considerar ter perfil para ser governador do Banco de Portugal.

Mas tem mantido sempre em aberto se o quer ou não fazer. Questionado pelo semanário se acharia um desafio interessante, referiu apenas estar focado no Orçamento do Estado (OE) para 2020, cuja proposta foi apresentada esta semana. “Já disse: o meu desafio agora é começar a apresentar o OE 2020 na AR“, disse.

Já sobre o mandato como presidente do Eurogrupo (que termina em julho, mas pode ser renovado por mais dois anos e meio), o governante socialista é mais claro. “Eu sou extremamente favorável à limitação do número de mandatos que os políticos exercem. E exerço-o o mais possível na minha pessoa também”, afirmou Centeno, ao Expresso. “Não é algo que eu tenha, neste momento, equacionado. A seu tempo falaremos”, acrescentou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno não vê “nenhum conflito de interesses” em sair do Governo para o Banco de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião