Regulador brasileiro rejeita proposta de Zeinal Bava. Exige 8,7 milhões

  • ECO
  • 24 Dezembro 2019

A proposta de Zeinal Bava de pagar cerca de 66 mil euros pelas vantagens indevidas recebidas em 2014 enquanto presidente da Oi foi recusada pelo regulador brasileiro.

A proposta de pagamento de 300 mil reais (cerca de 66 mil euros) feita por Zeinal Bava, devido às vantagens indevidas recebidas quando era presidente da Oi, em 2014, foi rejeitada pela Procuradoria Federal Especializada da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil (PFE-CVM).

A PFE-CVM quer que Zeinal Bava pague, pelo menos, a alegada vantagem indevidamente recebida quando liderava a operadora, que ascende a 40 milhões de reais (8,79 milhões de euros), refere o comunicado do regulador do mercado de capitais brasileiro, citado pela Telesíntese (acesso livre).

Allan Kardec de Melo Ferreira, Sidnei Nunes e Umberto Conti, membros do conselho fiscal da Oi, também apresentaram propostas, para pagar à CVM, individualmente, 50 mil reais. No entanto, receberam igualmente um parecer negativo do regulador do mercado de capitais brasileiro.

Para o Comité de Termo de Compromisso, a celebração de um acordo não seria conveniente nem oportuna, devido à gravidade, em tese, do caso concreto e o grau de economia processual que seria alcançado. Até porque, dos 20 responsabilizados, apenas quatro apresentaram uma proposta.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador brasileiro rejeita proposta de Zeinal Bava. Exige 8,7 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião