Flexdeal mais que duplica dividendo. Paga 16 cêntimos aos acionistas a 15 de janeiro

Com lucros de 877,3 mil euros nos 12 meses terminados em setembro (mais 121% que no período homólogo), a Flexdeal destina 60% do resultado líquido para remunerar acionistas.

A Flexdeal vai pagar um dividendo de 16,41 cêntimos por ação em janeiro. O montante da remuneração acionista, relativa ao período aos 12 meses terminados em setembro, representa um aumento de 134% face aos dividendos distribuídos no ano anterior.

“De acordo com o deliberado na Assembleia Geral realizada a 16 de dezembro de 2019, se encontram a pagamento, a partir do próximo dia 15 de janeiro de 2020, dividendos relativos ao exercício fiscal de 2018/2019”, anunciou a sociedade de investimento e fomento da economia (SIMFE) em comunicado ao mercado.

O dividendo ilíquido é de 16,41 cêntimos por ação, o que significa 12,31 cêntimos líquidos no caso de investidores institucionais ou 11,82 cêntimos para investidores de retalho. “A partir do dia 13 de janeiro de 2020 (inclusive) as ações da Flexdeal SIMFE S.A. serão transacionadas na Euronext Lisbon sem direito aos respetivos dividendos”, acrescenta a empresa liderada por Alberto Amaral.

A SIMFE teve lucros de 877,3 mil euros nos 12 meses terminados em setembro (mais 121% que no período homólogo). A empresa conta atualmente com uma carteira de 37 participações — mais 15 que há um ano — sendo que os investimentos realizados no ano representam um crescimento homólogo de 22% e traduziram-se num total de proveitos gerados de mais 58% face ao período homólogo.

A Flexdeal foi a última empresa a entrar na bolsa de Lisboa e a única SIMFE no país. Este veículo tem como objetivo principal investir em PME, é obrigada a ser cotada em bolsa até um ano depois da constituição e tem de distribuir, pelo menos, 30% dos resultados na forma de dividendos. Tal como no ano passado, a empresa distribuiu 60% do resultado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Flexdeal mais que duplica dividendo. Paga 16 cêntimos aos acionistas a 15 de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião