Turismo espanhol vai ser o mais afetado na Europa em 2020 no pior cenário do Brexit

  • Lusa
  • 30 Dezembro 2019

As áreas mais prejudicadas seriam as ilhas Baleares e as Canárias, realça o estudo, lembrando que também seriam prejudicados outros destinos mediterrâneos (Turquia, Egito, Grécia, Tunísia e Marrocos).

O setor de turismo espanhol será o mais afetado na Europa em 2020 no pior cenário do Brexit, caindo 7% nas chegadas de turistas em termos de taxa homóloga, revela esta segunda-feira a Comissão Europeia de Viagens (ETC).

Nesta hipótese, se se somar a este processo a falência do operador britânico Thomas Cook, as chegadas de visitantes britânicos cairiam 8% em 2021, ou seja, uma queda estimada de 1,3 milhões de turistas, refere o relatório da ETC (European Travel Commission).

As áreas mais prejudicadas seriam as ilhas Baleares e as Canárias, realça o estudo, lembrando que também seriam prejudicados outros destinos mediterrâneos (Turquia, Egito, Grécia, Tunísia e Marrocos) que estão a recuperar grande parte do turismo que perderam a partir de 2011.

O estudo destaca em particular o caso da Turquia, pois reconhece que este país aumentou em 15% a chegada de turistas, tornando-se num “grande rival” para Espanha, graças à sua capacidade de alojamento e a uma oferta ampla com tudo incluído, que atrai muitas famílias europeias.

Ao nível europeu, Espanha foi este ano o país que menos cresceu em chegadas internacionais de turistas. Espanha ocupa a 26.ª posição num total de 34 países, segundo o estudo da ETC, tendo registado um aumento de chegadas de apenas 1,3% que se justifica pela queda registada nos mercados tradicionais. No topo da lista surge Montenegro (+18,1%), Turquia (+14,7%), Luxemburgo (+10,1%), Lituânia (+9,3%) e a Eslováquia (+9%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo espanhol vai ser o mais afetado na Europa em 2020 no pior cenário do Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião