3 desejos para 2020 de Paulo Macedo: “Concluir, com sucesso, o plano estratégico” para “lançar o futuro” da CGD

Paulo Macedo deseja que em 2020 se consiga, no país, inverter a tendência de desertificação do interior. Pede a continuação da transformação da banca e a conclusão, com sucesso, do plano da CGD.

Portugal é um país cada vez mais envelhecido. E essa realidade está a agravar uma outra: a tendência de despovoamento do interior, algo que Paulo Macedo deseja ver corrigido. O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) espera que, em 2020, se criem condições para inverter essa tendência, criando emprego nestas zonas do país.

Ao mesmo tempo que pede uma reconciliação entre litoral e interior do país, deseja que se continue com o processo de transformação dos bancos, no sentido de se alcançar a “reconciliação da banca com os portugueses“, nomeadamente com a CGD, banco que, diz Paulo Macedo, tem como objetivo “concluir, com sucesso, o plano estratégico” 2017-2020. “É a pedra basilar para o lançamento do futuro”, remata.

Um desejo para o país

Gostaria que o país conseguisse criar condições para inverter a pirâmide demográfica, e a tendência de despovoamento do interior. São processos que se têm vindo a acentuar. É quase bizarro que digamos tantas vezes a palavra “interior”. Na verdade, entre a fronteira e a costa distam apenas 200 quilómetros. Mas as zonas com baixa densidade aproximam-se cada vez mais do litoral. A única forma de contornar estas duas realidades passa, sobretudo, pela criação de emprego, preferencialmente qualificado, através de novos projetos empresariais.

Um desejo para o setor bancário

A modernização e a transformação positiva que leve, com o tempo, à reconciliação da banca com os portugueses, e que é transversal a todo o setor. É importante, para o setor e para a Caixa, que consigamos continuar a transformar, de modo positivo e em benefício de todos, o modo como operamos. Várias vezes temos apresentado uma ideia que me parece crucial para garantir o futuro. É importante que a Caixa alcance um novo paradigma de serviço ao cliente, maior eficiência operacional e uma rendibilidade sustentável. O desafio é servir melhor, com uma estrutura mais flexível, digital e mais ágil. Há quem pense, muitas vezes, na Caixa como um banco algo “tradicional”, mas a verdade é que mantemos connosco os clientes de sempre, mas em simultâneo, somos o banco com mais clientes digitais em Portugal. Cerca de 75% dos nossos clientes empresa usa regularmente o Caixadireta e metade das operações de comércio externo são através da internet.

Um desejo para a CGD

Há várias ideias que podem ser avançadas e que são importantes. O incremento da área digital vai ser decisivo, tal como o são ideias de aumento de satisfação ao cliente, a liderança na sustentabilidade. Tudo isso é importante, mas temos sempre em pano de fundo a conclusão, com sucesso, do Plano Estratégico 2017-2020. Não é só uma questão de cumprir a missão em si – objetivo que não conseguiríamos cumprir sem a presença e a participação de todos os colaboradores da Caixa –, mas o facto desse plano ser a pedra basilar para o lançamento do futuro.

3 desejos para 2020 é uma série de artigos a antecipar o que vai acontecer no próximo ano, nos mais variados domínios. Desafiámos políticos, empresários, gestores, advogados, reguladores, sindicatos e patrões a revelarem três desejos para o próximo ano: 1) Um desejo para o país, 2) Um desejo para o seu setor e, finalmente, 3) Um desejo para a empresa/entidade que gerem. Todos os dias, até ao final do ano, não faltarão desejos aqui no ECO.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

3 desejos para 2020 de Paulo Macedo: “Concluir, com sucesso, o plano estratégico” para “lançar o futuro” da CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião