Motoristas da Uber buzinam de Belém às Amoreiras em protesto contra redução dos preços

Os motoristas da Uber estão em protesto contra a redução dos preços praticados pela aplicação. A marcha lenta começou em Belém e termina nas Amoreiras, onde se localizam os escritórios da plataforma.

Cerca de cem carros da Uber partiram esta segunda-feira de manhã, em marcha lenta, de Belém às Amoreiras. Os condutores fazem-se ouvir através das buzinas num protesto contra a redução dos preços praticados pela aplicação.

O Governo tem de intervir. A solução passa por rever a lei que regula os TVDE estabelecendo um preço mínimo ao quilómetro”, aponta ao ECO Pedro Vieira, motorista da Uber. Pedro Vieira é motorista-parceiro da platoforma eletrónica há cerca de três anos e a sua empresa gere uma equipa de cinco carros. “A continuar assim a situação torna-se insustentável”, atira.

Motoristas da UBER em marcha de protesto frente à Assembleia da República - 06JAN20
A marcha lenta começou em Belém, passou ao largo da Assembleia da República e vai terminar nas Amoreiras, onde se localizam os escritórios da Uber.Hugo Amaral/ECO

Também Sílvia, uma outra condutora ouvida pelo ECO e que preferiu não se identificar, defende que o Executivo deve colocar um travão à redução das comissões, caso contrário “a margem de lucro para os condutores vai ser bastante reduzida”.

No seguimento da manifestação desta segunda-feira, fonte oficial da Uber garante que a empresa está “sempre em contacto” com os motoristas, para que a empresa “lhes continue a proporcionar oportunidades económicas fiáveis”.

Em causa está a descida de preços do serviço básico de transporte Uber X a partir deste ano, que ficou 10% mais barato, segundo os próprios cálculos da Uber. A medida, positiva na ótica do passageiro, gerou desconforto entre os motoristas, que temem a pressão adicional sobre os rendimentos e criticam a decisão da empresa em manter inalterada a comissão de 25% aplicada ao valor das viagens. Os motoristas já tinham feito um protesto no fim de semana, mas não gerou impacto na operação da Uber em Lisboa.

Numa tentativa de assegurar uma transição suave para os novos tarifários e para colmatar essa perda para os motoristas, a Uber criou um plano de “incentivos personalizados”, por forma a que os motoristas possam obter o rendimento médio dos últimos meses. Ao que o ECO apurou, em alguns casos, os motoristas poderão ter de trabalhar 75 horas numa semana, caso queiram aceder ao bónus.

A manifestação estava marcada para as 10h30, mas só arrancou por volta das 11h40 desta segunda-feira. O protesto foi marcado pelas redes sociais, nomeadamente por grupos de Whatsapp. A marcha lenta começou na zona de Belém e termina nas Amoreiras, onde se localizam os escritórios da empresa.

(Notícia atualizada às 18h03 com a reação da Uber)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Motoristas da Uber buzinam de Belém às Amoreiras em protesto contra redução dos preços

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião