Uber dá bónus aos motoristas para compensar descida de preços. Pode exigir 75 horas de trabalho por semana

A Uber Portugal criou um plano de "incentivos personalizados" para compensar temporariamente os motoristas pela descida dos preços do serviço. Em alguns casos, exige 75 horas de trabalho por semana.

A Uber Portugal criou um programa de “incentivos personalizados” para compensar os motoristas pela descida dos preços do serviço, uma tentativa de assegurar a transição suave para o novo tarifário, que entrou em vigor este ano. Este apoio, em vigor até fevereiro, assegura que os motoristas podem obter o mesmo rendimento médio dos últimos meses, mediante algumas condições que variam de motorista para motorista. Ao que o ECO apurou, em alguns casos, poderão ter de trabalhar 75 horas numa semana, caso queiram aceder ao bónus.

A 2 de janeiro, a Uber anunciou uma descida nos preços do serviço básico de transporte Uber X, que ficou 10% mais barato, segundo cálculos da plataforma. A medida, positiva na ótica do passageiro, gerou desconforto entre os motoristas, que temem a pressão adicional sobre os rendimentos e criticam a decisão da empresa de manter inalterada a comissão de 25% aplicada ao valor das viagens. Foi, inclusivamente, marcado um protesto para o fim de semana que passou, mas que não gerou impacto na operação da Uber em Lisboa.

O ECO sabe que, a somar à preocupação dos motoristas em Portugal está o novo plano de “incentivos personalizados”, anunciado pela empresa num email enviado aos motoristas e parceiros, em simultâneo com o anúncio da descida dos preços. Num desses emails enviado a um motorista, a que o ECO teve acesso, a plataforma exige “tempo online igual ou superior a 75 horas” numa semana, assim como um mínimo de 47 viagens ao serviço da aplicação.

“Entre 6 de janeiro e 2 de fevereiro, garantimos no mínimo 388,49 euros por semana, o mesmo rendimento semanal que recebeu, em média, entre 18 de novembro a 15 de dezembro. Para que seja elegível, terá que cumprir” com os requisitos, informa a empresa, na mesma mensagem enviada a um dos motoristas — o valor varia em função do perfil do condutor. Para além das horas de trabalho e do mínimo de viagens, a Uber exige uma “taxa de aceitação e de cancelamento” em linha com o previsto na nova lei.

Os motoristas são livres para estar online na aplicação da Uber onde, quando e durante o tempo que quiserem. Podem escolher trabalhar as horas que entenderem, dentro dos limites previstos na lei, ou mesmo não trabalhar de todo.

Fonte oficial da Uber Portugal

Motoristas podem “trabalhar as horas que entenderem”

Nem todos os motoristas estão a ser “empurrados” para as 75 horas semanais de trabalho, sendo este um valor que, ao que foi possível apurar, está acima da média pedida no âmbito deste programa. Num outro caso consultado pelo ECO, a Uber exige um mínimo de 58 viagens e 53 horas de trabalho para garantir um rendimento igual à média de 410,92 euros semanais. E, num terceiro caso, são pedidas 21 horas semanais de trabalho e 24 viagens mínimas por 162,24 euros por semana.

“É surreal”, comentou um motorista da Uber, que pediu para não ser identificado. Contactada, a presidência da Associação Nacional de Parceiros das Plataformas Alternativas de Transporte (ANPPAT), que representa alguns parceiros de plataformas como a Uber, não respondeu a tempo da publicação deste artigo.

No entanto, fonte oficial da Uber Portugal lembrou que nenhum motorista é obrigado a aceder ao incentivo e justificou ao ECO, com mais detalhe, a decisão de avançar com este plano, bem como a de descer preços.

“Este plano de incentivos tem como objetivo permitir que os motoristas que viajam com a aplicação experimentem os novos preços durante quatro semanas sem comprometer os seus rendimentos esperados. Garantimos que, nas quatro semanas entre 6 de janeiro e 2 de fevereiro, todos os motoristas elegíveis irão receber os mesmos rendimentos que receberam nas quatro semanas entre 18 de novembro e 15 de dezembro, se fizerem uma utilização equivalente da aplicação da Uber nestes dois períodos”, disse fonte oficial da Uber Portugal.

A mesma porta-voz da empresa assumiu acreditar “que esta redução de preços será positiva tanto para utilizadores como para motoristas, mas também que deve ser a Uber e não os motoristas a suportar o risco imediato dessa mudança”. “Após estas quatro semanas, compete-nos a nós continuar a merecer a preferência dos motoristas pelo nosso serviço”, frisou.

A plataforma garante ainda que os “incentivos personalizados”, calculados com base no trabalho que cada motorista já fazia ao serviço da aplicação, estão abertos a todos os que tenham feito “pelo menos uma viagem e estado online, em média, pelo menos dez horas por semana” nas quatro semanas entre novembro e dezembro, acima indicadas. Confrontada com as 75 horas que foram exigidas a um motorista, fonte oficial da Uber garantiu, assim, que esse foi o tempo médio de trabalho desse mesmo motorista no período usado para o cálculo.

“A Uber não exige, nem nunca exigiu, nenhum valor mínimo de horas aos motoristas. Pelo contrário, os motoristas são livres para se ligarem à aplicação onde, quando e durante o tempo que quiserem”, recordou. E sublinhou: “Podem escolher trabalhar as horas que entenderem, dentro dos limites previstos na lei, ou mesmo não trabalhar de todo.”

A lei é omissa quanto a um limite de horas de trabalho semanal, referindo apenas que os motoristas não podem “operar” os veículos por “mais de dez horas dentro de um período de 24 horas”. Ou seja, este limite diário de dez horas aplica-se à “condução efetiva”, como tem sido interpretado pela empresa. Ultrapassado este limite, os motoristas são forçados a ficar offline.

A descida dos preços da Uber apanhou o setor de surpresa, mas acontece num mês tradicionalmente de menor procura pelo serviço. O ECO sabe que outras plataformas estão a analisar a hipótese de também reverem as suas tarifas, mas nenhuma decisão foi anunciada até ao momento.

A Bolt não quis comentar uma eventual descida de preços, enquanto a Kapten não respondeu a tempo de publicação deste artigo. A Cabify já não se encontra a operar em Portugal desde dezembro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber dá bónus aos motoristas para compensar descida de preços. Pode exigir 75 horas de trabalho por semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião