Tensão no Irão leva petróleo a atingir os 70 dólares por barril

Clima de tensão entre os Estados Unidos e o Irão está a fazer disparar as cotações do petróleo nos mercados internacionais. Barril de Brent chegou a superar os 70 dólares.

As tensões no Médio Oriente, que subiram de tom depois de Donald Trump ordenar um ataque aéreo que matou Qassem Soleimani, estão a fazer os preços do petróleo disparar. O Brent, que serve de referência para as importações nacionais, já atingiu os 70 dólares por barril durante esta sessão.

A matéria-prima, negociada na praça de Londres, avança 1,24% para os 69,45 dólares por barril, tendo chegado aos 70,74 dólares durante a negociação, o valor mais elevado desde 16 de setembro. Em Nova Iorque, o West Texas Intermediate (WTI), segue a tendência, valorizando 0,94% para 63,64 dólares por barril, também um máximo desde abril de 2019.

Na semana passada, o ataque com drones dos EUA ao aeroporto em Bagdad, no Iraque, matou o general militar iraniano, gerando uma forte revolta do Irão, prometendo vingança.

Durante o fim de semana, o Presidente dos Estados Unidos advertiu Teerão que as forças militares norte-americanas identificaram 52 locais no Irão e que os atacarão “muito rapidamente e duramente” se a República Islâmica atacar pessoal ou alvos americanos.

O Irão encontra-se entre os maiores produtores da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e, por isso, o mercado petrolífero reage fortemente às perturbações, já que as tensões no Médio Oriente poderão comprometer o fornecimento da matéria-prima a nível global.

A última vez que o petróleo disparou desta forma foi em setembro, quando um ataque de drones de rebeldes às refinarias da Aramco provocou uma quebra na produção da Arábia Saudita.

(Notícia atualizada às 13h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensão no Irão leva petróleo a atingir os 70 dólares por barril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião