Generali fecha compra da Tranquilidade. Mantém marcas

  • ECO Seguros
  • 8 Janeiro 2020

Marcas Tranquilidade, Açoreana, LOGO, Europ Assistance, e Generali irão manter-se no mercado português. A gestão será conjunta com três membros provenientes da Seguradoras Unidas e dois da Generali.

A Generali fechou a compra da Seguradoras Unidas, bem como da prestadora de serviços de saúde AdvanceCare, à Calm Eagle Holding e Calm Eagle Parent Holdings II, entidades detidas maioritariamente por fundos de investimento geridos por subsidiárias da Apollo Global Management. O processo tinha sido anunciado em 18 de julho passado, sendo que já recebeu as aprovações requeridas de todas as entidades reguladoras e autoridades da concorrência a nível nacional e internacional.

Pedro Carvalho, até agora CEO adjunto da Seguradoras Unidas, foi nomeado presidente executivo das companhias seguradoras do Grupo em Portugal que inclui a Generali Vida, Generali Seguros e Seguradoras Unidas, reportando diretamente a Jaime Anchústegui, CEO Internacional da Generali.

Segundo apurou ECO Seguros, as marcas Tranquilidade, Açoreana, LOGO, Europ Assistance, e Generali irão manter-se no mercado.

Em carta endereçada a partir de Milão pelo CEO International do grupo Generali, Jaime Anchústegui, aos colaboradores das duas empresas — e a que ECO Seguros teve acesso — é indicado um Comité de Gestão Executivo, constituído por mais quatro gestores que irão assumir a responsabilidade pela Generali Portugal e pela Seguradoras Unidas.

Para além do CEO Pedro Carvalho, que era CEO adjunto da Seguradoras Unidas, o Comité de Gestão Executivo será composto por Rogério Dias – até agora diretor geral da Generali Portugal – como Chief Distribution Officer, José Nogueira, administrador da Seguradoras Unidas, foi nomeado Chief Operating Officer , Stefano Flori – Responsável pela Estratégia e Controlo da Generali em Itália – será o Chief Financial Officer e João Barata, diretor técnico da Tranquilidade, foi nomeado Chief Insurance Officer.

O CEO da Tranquilidade licenciou-se na Católica LSBE em 1997, é MBA pelo Insead e doutorado pela Universidade de Harvard sendo Visiting Professor of Finance no INSEAD/Nova SBE. Iniciou carreira profissional no Goldman Sachs, transitando para a McKinsey onde esteve 15 anos e depois para o grupo SONAE, tendo em 2015 assumido o cargo de administrador e CEO adjunto na Seguradoras Unidas.

Seguradoras juntas na gestão, mas separadas em negócios

A carta aos colaboradores assinada por Jaime Anchústegui salienta que “com esta nova aquisição, a Generali terá agora uma posição de liderança em Portugal”, acrescentando que “combinando a força das Seguradoras Unidas, com as competências do Grupo Generali, o conhecimento dos nossos colegas da Generali Portugal e com a plataforma da AdvanceCare, poderemos construir, juntos, um futuro brilhante”.

O CEO italiano revela ainda que “com a perspetiva de um maior nível de integração e de uma gestão eficiente da Generali Portugal e da Seguradoras Unidas, vamos introduzir algumas mudanças importantes no modelo de governo”, referindo-se à comissão executiva de cinco membros, indicando que “a harmonização das restantes funções será implementada gradualmente nas próximas semanas e meses”.

No entanto, a carta aponta que a função de Recursos Humanos já está a ser liderada por Gilda Raposo, responsável de recursos humanos da Seguradoras Unidas e agora também da Generali Portugal.

Anchústegui conclui afirmando que “iremos também envolver os nossos agentes, corretores, parceiros e clientes para em conjunto definirmos aquele que será o nosso caminho”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Generali fecha compra da Tranquilidade. Mantém marcas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião