Bruxelas aprova compra da Tranquilidade pela Generali

  • Lusa
  • 21 Novembro 2019

Comissão Europeia aprovou a compra da Seguradoras Unidas e Advance Care pelos italianos da Generali, num negócio de 600 milhões. Bruxelas diz que operação não levanta problemas de concorrência.

A Comissão Europeia aprovou esta quinta-feira a compra das portuguesas Seguradoras Unidas e Advance Care ao grupo norte-americano Apollo pelo grupo italiano Generali, um negócio no valor estimado de 600 milhões de euros.

O executivo comunitário adiantou, em comunicado, que o negócio não levanta quaisquer questões de concorrência “dadas as pequenas sobreposições horizontais entre as atividades das empresas no mercado de serviços de seguros de vida e não-vida em Portugal e as pequenas relações verticais que surgem nos serviços de gestão de seguros de saúde”

O grupo italiano Generali informou em julho a intenção de comprar ao fundo norte-americano Apollo a Seguradoras Unidas, dona da Tranquilidade e da Açoreana, por 510 milhões de euros e a AdvanceCare por 90 milhões de euros.

A Generali adiantou então que os valores estão sujeitos a eventuais ajustamentos na conclusão do negócio.

O grupo italiano indicou, no comunicado, que com o negócio “reforça a sua presença em Portugal” e “consolida a sua liderança na Europa” em linha com a sua estratégia de três anos, até 2021.

A Seguradoras Unidas é a companhia de seguros em Portugal que detém as marcas Tranquilidade, Açoreana e LOGO, tendo 15,5% da quota de mercado não-vida e 1,5 milhões de clientes.

Por seu lado, a AdvanceCare é um sistema integrado de saúde presente no mercado desde 1998, tendo um milhão de clientes sob sua gestão.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas aprova compra da Tranquilidade pela Generali

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião