Generali notifica concorrência europeia da compra da Tranquilidade por 600 milhões de euros

Seguradora italiana notificou esta semana a DG-Comp, a autoridade da concorrência europeia, por causa da compra da Seguradoras Unidas, dona da Tranquilidade, por 600 milhões de euros.

A Generali notificou esta semana a DG-Comp, a autoridade da concorrência europeia, por causa da compra da Seguradora Unidas por 600 milhões de euros ao fundo Apollo. O negócio entre italianos e americanos ficou fechado em julho, mas a sua conclusão encontra-se ainda dependente das autorizações dos reguladores.

A seguradora italiana anunciou a aquisição da Tranquilidade por 510 milhões e da AdvanceCare por 90 milhões de euros no dia 18 de julho, numa operação que vai torná-la no segundo maior grupo segurador em Portugal nos ramos não vida. Três meses depois, esta terça-feira é que as autoridades europeias receberam a notificação da operação de concentração.

Só com a autorização da DG-Comp e dos outros reguladores, nomeadamente a Autoridade da Concorrência portuguesa e a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), é que a transação pode ficar fechada. A Seguradoras Unidas, que junta a Tranquilidade (ex-BES), Açoreana (ex-Banif) e Logo, obteve um lucro de 50,6 milhões de euros em 2018.

Aquando do anúncio do negócio em julho, Jaime Melgarejo, CEO da Generali, sublinhou que a Seguradora Unidas vai permitir ao grupo “otimizar o posicionamento estratégico no país, capturar oportunidades de crescimento, bem como alcançar importantes reduções de custos fruto das sinergias”. “Estas aquisições representam um passo importante na implementação da estratégia de três anos do grupo que tem como objetivo reforçar a liderança na Europa”, assinalou na altura.

Na corrida pela Tranquilidade estava ainda os espanhóis da Catalana Occidente, sendo que entre os interessados estiveram também a Mapfre, Ageas, Zurich e a Allianz.

Foi em em 2015 que a Apollo adquiriu a Tranquilidade ao Novo Banco por 40 milhões de euros, embora o fundo norte-americano tenha injetado mais de 150 milhões de euros para reforçar o capital da seguradora.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Generali notifica concorrência europeia da compra da Tranquilidade por 600 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião