Corticeira Amorim incentiva plantação de 50 mil hectares de sobreiros na próxima década

  • Lusa
  • 9 Janeiro 2020

A corticeira acredita que com um aumento de 7% da área atual dos sobreiros em Portugal será possível incrementar a produção de matéria-prima em 35%.

A Corticeira Amorim propôs-se esta quinta-feira mobilizar os produtores florestais a plantarem um total de 50 mil hectares de sobro nos próximos 10 anos, apontando este como “um dos principais objetivos” do Projeto de Intervenção Florestal que lidera.

“O objetivo é mobilizar esses produtores para que, entre diversas plantações, no prazo aproximado de 10 anos possam ser plantados 50 mil hectares de sobreiros com uma densidade significativamente superior à atual. Acredita-se que com um aumento de 7% da área atual dos sobreiros em Portugal será possível incrementar a produção de matéria-prima em 35%”, afirmou o presidente executivo da Corticeira Amorim, António Rios de Amorim, durante um evento no âmbito dos 150 anos do grupo Amorim, que se assinalam em 2020.

Lançado em 2013, o Projeto de Intervenção Florestal (PIF) é uma iniciativa promovida pela Corticeira Amorim para “assegurar a manutenção, preservação e valorização das florestas de sobro e, consequentemente, a produção contínua de cortiça de qualidade”.

"Num cenário de alterações climáticas e numa altura em que Portugal tem de redefinir a sua política de reordenação de território é crucial que o sobreiro seja destacado como espécie privilegiada”

Corticeira Amorim

Apostando na “sustentabilidade, aliada à inovação, como grande trunfo para enfrentar os desafios da próxima década”, o projeto é apontado como “um dos pilares de desenvolvimento do grupo” e será implementado em parceria com produtores florestais, instituições de investigação e entidades públicas locais, potenciando também o reforço do conhecimento e ‘know how’ sobre a espécie que está na base da cortiça: o sobreiro.

“Cada vez mais percebemos que as espécies nativas são um elemento fundamental na defesa contra as alterações climáticas. Com este projeto, que também representa o primeiro investimento da Corticeira Amorim em propriedade florestal, esperamos maximizar o montado como um investimento sustentável e rentável, não apenas para as gerações vindouras mas também para a geração que decide investir nesta espécie verdadeiramente única a nível ambiental, social e económico”, afirma o presidente executivo da corticeira, António Rios de Amorim.

Desenvolvido em três etapas – investigação científica e biotecnologia, aplicação do conhecimento nas plantações da Corticeira Amorim e partilha do ‘know how’ com outros produtores florestais – o PIF propõe-se “melhorar quer a quantidade quer a qualidade do sobreiro e da cortiça, tornando a produção mais rapidamente atrativa para quem nela investe”.

“Numa primeira fase – explica a empresa – o projeto centrou-se na investigação científica e na biotecnologia, em especial na antecipação do primeiro ciclo de extração de cortiça, através de um sistema de rega de instalação melhorada (gota a gota)”, visando “expandir o conhecimento da espécie e de toda a matéria ligada ao montado e à subericultura”.

A segunda fase consistiu na aplicação do ‘know how’ e de novas tecnologias no terreno, tendo sido apurado, durante testes efetuados em plantações ao processo de irrigação de sobreiros, que “a irrigação gota a gota (num período inicial e limitado) permitirá aumentar a taxa de sobrevivência dos sobreiros e antecipar o período inicial de extração de cortiça de 25 para cerca de 10 anos”. Após este suporte inicial, concluiu-se que “a plantação de sobreiros não necessita de mais água”.

Segundo a Corticeira Amorim, na Herdade da Baliza – adquirida pela empresa em 2018, naquele que foi o primeiro investimento do grupo em propriedade florestal – “irão ser testados o aumento da densidade de sobreiros por hectare e o crescimento mais rápido dos mesmos, esperando-se uma redução significativa do tempo necessário para o início de exploração das árvores”.

A terceira fase do PIF centra-se na “partilha de conhecimento, incentivando o apoio a produtores florestais em Portugal e em Espanha, com o objetivo de melhorar o rendimento e a densidade dos montados de sobro nesta região onde se concentra uma importante percentagem da área total de floresta de sobreiro mundial”.

Através do Projeto de Intervenção Florestal, a Corticeira Amorim diz estar “a apostar nas designadas ‘externalidades positivas’ ao ecossistema montado”, nomeadamente a retenção de dióxido de carbono (cada tonelada de cortiça retém 73 toneladas de CO2), a biodiversidade associada aos montados de cortiça e o combate à desertificação, já que o sobreiro e o montado pressupõem presença humana.

Por outro lado, refere a Amorim, o facto de as áreas de sobreiro não serem mobilizáveis significa que aquele subsolo vai acumular reservas em biomassa e em água.

“Num cenário de alterações climáticas e numa altura em que Portugal tem de redefinir a sua política de reordenação de território é crucial que o sobreiro seja destacado como espécie privilegiada, aquela que se encontra em melhor posição para responder aos desafios futuros”, sustenta a empresa.

Segundo salienta, “como espécie nativa o sobreiro está perfeitamente adaptado às condições de clima e solo árido, vive cerca de 200 anos e tem um conjunto de externalidades muito positivas, sendo também uma espécie com uma capacidade singular de resistência ao fogo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Corticeira Amorim incentiva plantação de 50 mil hectares de sobreiros na próxima década

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião