Diplomata português escolhido para ser o embaixador da UE no Reino Unido após Brexit

  • Lusa
  • 12 Janeiro 2020

Com mais de três décadas de experiência em cargos europeus, João Vale de Almeida já desempenhou diversos cargos de topo. Foi principal conselheiro de Durão Barroso no primeiro mandato na comissão.

O chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, escolheu o diplomata português João Vale de Almeida para liderar a futura delegação comunitária junto do Reino Unido após a consumação do Brexit, disse à Lusa fonte comunitária.

“Posso confirmar que o Alto Representante e Vice-Presidente tenciona designar João Vale de Almeida como líder da futura delegação da União Europeia junto do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte”, disse a porta-voz Virgine Battu-Henriksson à Lusa.

A porta-voz acrescentou que “a designação formal apenas terá lugar após a saída do Reino Unido da União Europeia”, agendada para o final do corrente mês, e após a indispensável aprovação das autoridades britânicas.

Com mais de três décadas de experiência em cargos europeus, João Vale de Almeida, 62 anos, já desempenhou diversos cargos de topo, tendo sido porta-voz da Comissão Europeia e diretor-geral antes de se tornar chefe de gabinete e principal conselheiro de José Manuel Durão Barroso durante o seu primeiro mandato como presidente da Comissão Europeia (2004-2009).

Vale de Almeida tornou-se de seguida embaixador da União Europeia nos Estados Unidos (2010-2014), à frente da primeira delegação europeia em Washington com poderes reforçados (em representação de toda a União e não somente da Comissão Europeia), à luz da entrada em vigor do Tratado de Lisboa, e de 2015 até ao final do ano passado foi o embaixador da UE junto das Nações Unidas.

Regressado a Bruxelas em dezembro último após cerca de dez anos em Washington e Nova Iorque, o seu nome já era apontado como um dos favoritos para representar a União Europeia em Londres, depois de o Reino Unido deixar de ser Estado-membro.

Se o processo de saída do Reino Unido da União Europeia não sofrer mais surpresas e consumar-se, como previsto, em 31 de janeiro, a representação da Comissão Europeia em Londres encerrará nessa data e dará lugar, em 01 de fevereiro, à nova delegação da UE, cujos moldes serão semelhantes àquela que Vale de Almeida encabeçou nos EUA.

A delegação da UE no Reino Unido ficará sob a tutela do Serviço Europeu de Ação Externa, o corpo diplomático da União liderado pelo Alto Representante Josep Borrell, que é também vice-presidente da Comissão Europeia liderada por Ursula Von der Leyen, e começará então a operar numa altura em que os 27 e Londres vão negociar a relação futura pós-Brexit.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Diplomata português escolhido para ser o embaixador da UE no Reino Unido após Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião