Crédito para a casa em máximos desde o travão do Banco de Portugal. Chega a 978 milhões

Os bancos disponibilizaram 978 milhões de euros em empréstimos para a compra de casa, em novembro, um aumento de 35 milhões de euros face ao mês anterior.

A disponibilização de novo crédito para a compra de casa continua a acelerar, ficando cada vez mais próximo da fasquia dos mil milhões de euros mensais. Em novembro, os bancos concederam 978 milhões de euros em empréstimos para a compra de casa, um aumento de 35 milhões de euros face ao mês anterior. Trata-se de um máximo desde o travão do Banco de Portugal.

Os 978 milhões de euros disponibilizados em novembro comparam com os 943 milhões de euros de crédito à habitação concedido em outubro, e representam o valor mais elevado desde junho de 2018, mostram dados do Banco de Portugal. Ou seja, desde o mês anterior à entrada em vigor de um conjunto de recomendações que os bancos devem respeitar aquando da disponibilização de financiamento às famílias, visando prevenir situações de sobreendividamento e consequências negativas para a economia.

O montante registado em novembro eleva para 9.500 milhões de euros o volume do novo crédito à habitação disponibilizado pelos bancos no acumulado dos 11 primeiros meses do ano passado. Face ao período homólogo está em causa uma subida de 6,4% no volume dos novos empréstimos para aquisição de casa. Será ainda necessário recuar até ao mesmo período de 2010 para assistir a um valor mais elevado.

Crédito para a casa continua a acelerar

Fonte: Banco de Portugal

No caso do crédito ao consumo, e apesar de novembro ser tipicamente um mês marcado pelas compras natalícias, o financiamento com esse fim disponibilizado pelos bancos baixou. Foram 466 milhões de euros, menos 60 milhões comparativamente com os 526 milhões registados em outubro, e que corresponderam ao valor mais elevado da série do Banco de Portugal cujo início remonta a janeiro de 2003.

Nos primeiros 11 meses do ano passado, os portugueses foram buscar aos bancos 4.744 milhões de euros em empréstimos para consumo. Tal corresponde a uma subida de 11,3% face ao verificado em igual período de 2018, sendo ainda o valor mais elevado desde 2004.

Também nos empréstimos aos particulares com outros fins se observou uma redução na nova concessão em novembro. Os bancos disponibilizaram 224 milhões de euros neste tipo de crédito, menos dois milhões de euros comparativamente com o mês anterior. Entre janeiro e novembro do ano passado, o volume deste tipo de crédito ascende a 2.102 milhões de euros.

Somando todas as finalidades, os bancos concederam nos 11 primeiros meses do ano passado 16.347 milhões de euros em empréstimos às famílias, 10,2% acima do mesmo período do ano anterior.

(Notícia atualizada às 11h39)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito para a casa em máximos desde o travão do Banco de Portugal. Chega a 978 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião