Elisa Ferreira defende o “seu” Fundo de Transição Justa de 7,5 mil milhões

  • Lusa
  • 14 Janeiro 2020

A comissária europeia portuguesa defende Fundo de Transição Justa, no valor de 7,5 mil milhões de euros, para ajudar à descarbonização de regiões especialmente dependentes dos combustíveis fósseis.

A comissária europeia portuguesa, Elisa Ferreira, defendeu esta terça-feira no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, o “seu” Fundo de Transição Justa, no valor de 7,5 mil milhões de euros, para ajudar à descarbonização de regiões especialmente dependentes dos combustíveis fósseis.

As centrais termoelétricas a carvão de Sines e do Pego, cujo encerramento o Governo já anunciou para 2023 e 2021, respetivamente, são casos elegíveis para estes futuros subsídios comunitários, tal como outras indústrias ou empresas com fortes emissões de dióxido de carbono de forma a serem reconvertidas.

A Comissão Europeia, que esta terça-feira apresentou esta iniciativa formalmente aos eurodeputados, não revelou para já a chave de repartição daquele montante global pelos 27 Estados-membros para o efeito, mas fontes europeias adiantaram à agência Lusa que o valor que poderá caber aos projetos portugueses nesta área andará entre 75 e 80 milhões de euros (aproximadamente 1%).

 

Em declarações aos jornalistas portugueses, a membro do executivo comunitário com a pasta da Coesão e Reformas explicou a engenharia financeira do novo mecanismo, do qual é uma das responsáveis diretas pela sua execução, sublinhando tratar-se de “dinheiro novo” e não de verbas provenientes de outras rubricas orçamentais.

“É um instrumento que tem 7,5 mil milhões de euros do orçamento da União Europeia. Em cima dele, através da combinação com os fundos que vêm dos envelopes nacionais e a comparticipação nacional prevista de acordo com as regiões, faz um pacote que, a nível europeu, pode oscilar entre 30 e 50 mil milhões de euros. Vai permitir uma alavancagem do chamado ‘EU Invest’ e do outro mecanismo de facilidade de empréstimo do Banco Europeu de Investimento (BEI) ao país em causa [100 mil milhões de euros no total]”, disse.

O Fundo de Transição Justa só poderá ser utilizado pelos países de forma combinada com os fundos da Coesão (desenvolvimento regional e social europeu), além do cofinanciamento nacional para cada projeto candidato.

“Todos os países, à partida, vão ter acesso a estes fundos, com acesso proporcional à dimensão do problema sob o ponto de vista do impacto regional e local das alterações produtivas de descarbonização – indústrias ou atividades que tenham grande intensidade de emissões atmosféricas e que, ao ajustar-se ao novo modo de produzir, vão libertar muita mão de obra e ter impactos sérios de reconversão. Essas regiões vão ter apoios para que os impactos sociais e regionais sejam reduzidos”, acrescentou Elisa Ferreira.

O novo instrumento faz parte do Plano de Investimento para uma Europa Sustentável, cujo investimento previsto é de um bilião de euros na próxima década, com o objetivo de concretizar o Pacto Ecológico Europeu (‘Green Deal’) e atingir a neutralidade carbónica em 2050.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Elisa Ferreira defende o “seu” Fundo de Transição Justa de 7,5 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião