Municípios chumbam OE. Criticam corte de verbas às autarquias

  • ECO
  • 14 Janeiro 2020

Associação que representa os municípios vê pontos positivos no Orçamento, mas a avaliação global é negativa.

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) dá um parecer desfavorável à proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2020. Considera, no documento que foi aprovado esta terça-feira pelos representantes das autarquias, e vai ser entregue em breve ao Governo, que a lei das Finanças Locais não é cumprida. E ataca falta de transparência nas verbas para a descentralização.

“Esta proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2020 apresenta um incumprimento evidente da Lei das Finanças Locais, nomeadamente um corte arbitrário de mais de 35 milhões de euros“, acusou a associação liderada por Manuel Machado em comunicado.

A ANMP refere que a proposta prevê a transferência de um montante global de 2.905.214.257 euros, sendo que a associação considera que deveria prever 2.940.237.622 euros. A diferença deve-se à não aplicação das regras legais para atualização do Fundo Social Municipal, de acordo com o parecer, que acrescenta que o montante previsto para 2020 é inferior ao transferido em 2009.

Em simultâneo, reivindica a distribuição mais equitativa das verbas pelos 308 municípios, referindo defender “a aplicação do racional e dos critérios aplicados na Lei do Orçamento do Estado de 2019 que garantem que todos os municípios terão uma maior transferência do Orçamento do Estado face ao ano anterior”.

As autarquias alegam que não estão a ser cumpridos os critérios da nova receita resultante da participação em 7,5% do IVA liquidado na circunscrição territorial de cada município nos setores do alojamento, restauração, comunicações, eletricidade, água e gás.

Por último, apontam ainda a falta de transparência nas verbas da descentralização, defendendo que “sejam também clarificados os montantes globais do Fundo de Financiamento da Descentralização, já que esta proposta de lei não o refere, como se impõe“.

As críticas e reivindicações serão enviadas ao Governo pela ANMP, que considera que estes aspetos prejudicam a gestão e eficiência dos serviços prestados pelos municípios às populações. Apesar disso, os autarcas elogiam a “flexibilização da integração do saldo de gerência, o IMI dos centros históricos e dos parques eólicos ou à Lei dos Compromissos e Pagamentos em Atraso”, acrescenta o comunicado sobre o parecer.

(Notícia atualizada às 14h50)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Municípios chumbam OE. Criticam corte de verbas às autarquias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião