OE2020: Entrada no capital dos CTT “não está excluída”, diz ministro

  • Lusa
  • 13 Janeiro 2020

"A entrada no capital não está excluída, mas não está em cima da mesa", disse Pedro Nuno Santos, apontando que neste momento o objetivo é "preparar a negociação" da renovação do contrato de concessão.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, disse esta segunda-feira que a entrada do Estado no capital dos CTT “não está excluída”, embora não esteja neste momento em cima da mesa.

“A entrada no capital não está excluída, mas não está [neste momento] em cima da mesa”, afirmou Pedro Nuno Santos, durante uma audição no âmbito do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), apontando que, neste momento, o objetivo é “preparar a negociação” da renovação do contrato de concessão dos Correios de Portugal.

O atual contrato de concessão dos CTT termina no final deste ano. “Só há quatro países que têm empresas de correios totalmente privatizadas”, recordou, apontando os casos da Holanda, Reino Unido, Malta e Portugal. “Não excluímos nenhum cenário”, reiterou.

“Estamos a falar de uma empresa [CTT] que foi privatizada na sua totalidade, incluindo toda a infraestrutura necessária”, acrescentou, “o que deixa o Estado relativamente desprotegido, se excluísse à partida (…) o regresso entrar no capital”.

Lembrou ainda que desde que os CTT foram privatizados — em 2014 — reduziram a sua presença no território nacional, com o encerramento de 33 lojas próprias em sede de concelho. “Vamos partir para um processo de renegociação que quer preservar e garantir algumas questões importantes para nós”, onde se inclui “a presença em todo o território nacional”, rematou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OE2020: Entrada no capital dos CTT “não está excluída”, diz ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião