UE, Japão e Estados Unidos reivindicam mudanças da China no comércio mundial

  • Lusa
  • 14 Janeiro 2020

Representantes da UE, dos EUA e do Japão chegaram a acordo para reforçar as regras existentes em matéria de subsídios industriais e condenaram as práticas de transferência forçada de tecnologia.

Representantes da União Europeia (UE), Japão e Estados Unidos estiveram esta terça-feira reunidos, em Washington, para discutir as relações comerciais, tendo reivindicado regras mais apertadas para subsídios industriais e contra a transferência forçada de tecnologia, numa clara alusão à China.

Num comunicado divulgado por Bruxelas após o encontro – no qual participaram o comissário europeu para o Comércio, Phil Hogan, o representante dos Estados Unidos para esta área, Robert E. Lighthizer, e ainda o ministro do Comércio do Japão, Hiroshi Kajiyama – lê-se que “representantes da UE, dos Estados Unidos e do Japão chegaram esta terça-feira a acordo para reforçar as regras existentes em matéria de subsídios industriais e condenaram as práticas de transferência forçada de tecnologia”, nomeadamente no âmbito da Organização Mundial de Comércio (OMC).

Sem nunca mencionar a China – que tem sido acusada de atribuir subsídios industriais a companhias chinesas para favorecer a sua posição noutros mercados e de forçar o acesso a determinadas tecnologias no país – o comunicado dá conta do consenso entre estas potências de que as regras existentes na OMC para limitar estas práticas são “insuficientes para as combater”.

De acordo com a nota, os três representantes “concluíram, por isso, que os novos tipos de subsídios incondicionalmente proibidos têm de ser acrescentados ao protocolo da OMC sobre este tipo de apoios e medidas compensatórias”.

No encontro, Phil Hogan, Robert E. Lighthizer e Hiroshi Kajiyama reafirmaram também “a importância das transferências de tecnologia para o comércio e investimento globais”, tendo falado em “possíveis regras fundamentais a serem introduzidas para evitar práticas forçadas”.

Antevendo a conferência ministerial da OMC, que decorre em meados deste ano, os três responsáveis mostraram-se ainda alinhados em “pressionar os membros […] que reivindicam o estatuto de país em desenvolvimento para assumir em pleno os seus compromissos”, atingindo novamente a China, que se tem designado desta forma dentro da organização desde a sua adesão.

UE, Japão e Estados Unidos acordaram, ainda, com uma reforma da OMC e com novas regras para o comércio eletrónico.

Citado pela nota, o comissário europeu Phil Hogan classifica este encontro como um “passo importante” para abordar “algumas das questões fundamentais que distorcem o comércio mundial”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE, Japão e Estados Unidos reivindicam mudanças da China no comércio mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião