Guerra comercial trava crescimento do comércio chinês

  • Lusa
  • 14 Janeiro 2020

Exportações chinesas para os EUA contraíram 8,7%, enquanto as importações chinesas de bens norte-americanos sofreram caíram 17,1%.

O comércio externo chinês aumentou 3,4%, em 2019, para o equivalente a 4,12 biliões de euros, uma desaceleração de 6,3%, face ao ritmo de crescimento homólogo, refletindo o impacto da guerra comercial com Washington.

Os dados divulgados hoje pela Administração Geral das Alfândegas revelam que as exportações cresceram 5%, no ano passado, para 17,23 biliões de yuan (2,24 biliões de euros), enquanto as importações subiram 1,6%, para 14,31 biliões de yuas (1,86 biliões de euros).

O “superavit” comercial aumentou 25,4% para 2,92 biliões de yuas (380.292 milhões de euros).

Embora a taxa de crescimento tenha sido menor do que nos dois anos anteriores, o volume total do comércio, incluindo as importações e exportações, registaram números nominais recordes em 2019.

Mas o abrandamento no ritmo da expansão do comércio chinês reflete uma prolongada guerra comercial com os Estados Unidos: as trocas entre os dois países caíram 10,7%, para 3,73 biliões de yuans (486.434 milhões de euros).

Os governos dos dois países impuseram taxas alfandegárias sobre o equivalente a centenas de milhares de milhões de euros de bens importados um do outro, numa guerra comercial que começou no verão de 2018, mas que se agravou ao longo deste ano.

As exportações chinesas para os EUA contraíram 8,7%, para 2,89 biliões de yuan (375.711 milhões de euros), enquanto as importações chinesas de bens norte-americanos sofreram caíram 17,1%, para os 845.380 milhões de yuans (110.082 milhões de euros).

Enquanto o comércio com os Estados Unidos diminuiu, a China ampliou as suas trocas com a União Europeia em 8%, especialmente com o Reino Unido (+ 12%), com os países da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), em 14,1%.

O país asiático aumentou ainda as trocas com os países da América Latina, em 8%, e com África, em 6,8%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guerra comercial trava crescimento do comércio chinês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião