Deputado do PS votará contra taxa sobre celuloses no OE. Ministério do Ambiente não recua

  • ECO e Lusa
  • 15 Janeiro 2020

Ascenso Simões diz que irá votar contra a taxa sobre celuloses entrar no Orçamento do Estado. O Ministério do Ambiente diz que se a taxa for proposta, a alteração será cumprida.

O deputado do PS Ascenso Simões diz que irá votar contra a taxa sobre as celuloses se esta for acrescentada ao Orçamento do Estado para 2020. A declaração do socialista vem no seguimento do ministro do Ambiente e Ação Climática ter admitido que a taxa sobre as celuloses ficou esquecida no Orçamento. João Pedro Matos Fernandes não recua na posição defendida.

“A taxa sobre celuloses não está no OE a que me vinculo. Se algum partido a propuser e o PS a apoiar eu votarei contra”, escreveu o deputado na sua conta do Twitter, como noticiou o Observador (acesso livre). A proposta sobre esta taxa constava do Orçamento do Estado para 2019, na forma de uma autorização legislativa, mas não chegou a ser usada para criar a contribuição especial.

Na discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2020, esta terça-feira, Matos Fernandes admitiu que a taxa sobre as celuloses ficou esquecida e disse, em resposta ao deputado do Bloco Nelson Peralta, que se for apresentada uma proposta a “alteração legislativa será cumprida”.

Em reação ao comentário do deputado socialista, o ministério do Ambiente e da Ação Climática diz que mantém “a posição sustentada nas declarações do Ministro do Ambiente e da Ação Climática, proferidas na Assembleia da República”, em declarações ao ECO.

“O orçamento não está nas mãos do Governo mas nas da Assembleia da República (AR). Cabe, por isso, à AR decidir sobre a proposta do Bloco de Esquerda. Se a AR aprovar essa proposta e ele ficar a constar da Lei do Orçamento de Estado, o Governo obriga-se a cumpri-la, sem qualquer omissão, mas com a latitude que essa autorização lhe conferir”, acrescenta fonte oficial do Ministério.

Esta quarta-feira, o Bloco de Esquerda apresentou já na Assembleia da República um aditamento à proposta de lei do Orçamento do Estado para cobrar uma taxa às empresas de celulose. “É criada uma contribuição especial para a conservação dos recursos florestais, com o objetivo de promover a coesão territorial e a sustentabilidade dos recursos Florestais”, diz a proposta do Bloco.

(Correção: Na versão inicial desta notícia dizia-se que Ascenso Simões ameaçava votar contra o Orçamento. Mas no post, o deputado do PS, aparentemente, ameaça apenas votar contra a taxa sobre celuloses.)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deputado do PS votará contra taxa sobre celuloses no OE. Ministério do Ambiente não recua

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião