Quinta dos Termos quer alargar portefólio de vinhos. Investe mais de três milhões no Douro

Quinta dos Termos, em Belmonte, acaba de investir mais de três milhões na compra da Quinta do Pocinho, no Douro. O objetivo é ter um portefólio de vinhos diversificados e complementares entre si.

A Quinta dos Termos investiu mais de três milhões de euros na compra da Quinta do Pocinho, apurou o ECO. O investimento destina-se não só à aquisição da quinta, mas também à construção de raiz de uma adega e à plantação de novas vinhas.

A intenção é ter um portefólio de vinhos diversificados e complementares entre eles”, explicou ao ECO João Carvalho, presidente executivo da Fitecom, uma empresa produtora de tecidos laneiros, e da Quinta dos Termos, em Belmonte. “O nosso objetivo é continuar a investir e produzirmos futuramente noutras regiões, como por exemplo a Região do Vinho Verde ou até expandir para a região do Alentejo ou Algarve”, destaca o produtor de vinhos da região da Beira Interior.

As obras vão ter início em março e a conclusão do projeto está prevista para o próximo ano. No final, a Quinta do Pocinho vai contar também com uma loja e uma sala de provas.

A quinta que agora comprada está localizada na encosta do Douro e conta com cerca de 40 hectares, sendo que 25 estão dedicados ao cultivo de vinhas. João Carvalho explica que “todo o território nacional é bom para a produção de vinhos. Portugal é um país de influência no mundo do vinho e dada a heterogeneidade que tem, consegue produzir vinhos com diferentes carácteres, que expressam aquilo que cada região é capaz de produzir naturalmente”.

A família Carvalho adquiriu a Quinta dos Termos há 75 anos e é hoje composta por 180 hectares. Grande parte da produção destina-se ao mercado nacional (75%). Atualmente, produz mais de 800 mil garrafas e, segundo João Carvalho, “a tendência é aumentar”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quinta dos Termos quer alargar portefólio de vinhos. Investe mais de três milhões no Douro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião