Banco do BCP na Polónia faz provisão de 35 milhões por causa dos créditos em francos suíços

Decisão de fazer provisão de 150 milhões de zloty vai impactar resultados do Bank Millennium no quarto trimestre de 2019.

O Bank Millennium, liderado por João Brás Jorge, decidiu realizar uma provisão extraordinária de 150 milhões de zloty (35 milhões de euros) para os processos relacionados com os créditos concedidos em francos suíços, precavendo-se assim dos efeitos de derrotas perante os clientes na justiça. Esta provisão vai acabar por pesar nos resultados do banco referentes ao quarto trimestre de 2019.

De acordo com a Reuters, a instituição financeira polaca controlada pelo BCP, tomou a decisão de avançar com esta provisão extraordinária de forma voluntária, contrariamente ao que tinha anunciado ainda recentemente. Em setembro, em entrevista ao jornal polaco Dziennik Gazeta Prawna, João Brás Jorge tinha afastado esta possibilidade.

O CEO do Bank Millennium rejeitava novas provisões, afirmando que as potenciais perdas seriam registadas ao longo do tempo, consoante as decisões dos tribunais polacos para casos específicos. Acabou por fazê-la, assumindo que tal irá ter “impacto nos resultados antes de impostos do quarto trimestre”.

A decisão de fazer esta provisão resulta da posição assumida pelo Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE), adotada já em outubro. O TJUE sustentou que, nos contratos de empréstimos feitos na Polónia e indexados a uma moeda estrangeira, cláusulas abusivas, relacionadas com variações cambiais, podem motivar a anulação dos referidos contratos.

Perante esta decisão, o Bank Millennium, mas também os restantes bancos do sistema financeiro polaco têm vindo a realizar provisões para se precaverem de eventuais derrotas na justiça por causa dos empréstimos contraídos em francos suíços, em 2008, que perante a valorização do franco suíço face à divisa polaca, fizeram disparar os montantes em dívida por parte dos clientes. Santander Bank Polska e o mBank fizeram o mesmo recentemente.

(Notícia atualizada às 17h36 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco do BCP na Polónia faz provisão de 35 milhões por causa dos créditos em francos suíços

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião