Só 30 empresas do Stoxx 600 cumprem regra da paridade

Segundo o relatório do European Women on Boards, apenas 30 empresas estão próximas do equilíbrio definido pela Comissão Europeia. Há 53 cotadas cujos boards são dominados por homens.

Grande parte das maiores empresas europeias não respeitam as leis da paridade. Olhando para o Stoxx 600, o estudo do European Women on Board (EWoB) revela que apenas 33% dos membros dos conselhos de administração são mulheres. As quatro cotadas no índice das maiores empresas do Velho Continente colocam Portugal na 11.ª posição do ranking da paridade de género.

A Comissão Europeia determinou que as empresas terão de contar com, no mínimo, 40% de mulheres nas suas administrações. O “European Women on Boards Gender Diversity Index” revela que, no global, as cotadas estão aquém deste patamar. Só 30 empresas estão próximas do equilíbrio definido, ou seja 5% do total, e existem 53 cotadas cujos boards são dominados por homens.

Apenas 28 das quase 600 empresas analisadas são lideradas por uma pessoa do sexo feminino (CEO), 99 empresas têm uma mulher nos três primeiros níveis de liderança (conselho de administração, diretora financeira e diretora de operações), perfazendo 17% do total das empresas consideradas. Quando existe uma mulher nos três primeiros níveis de liderança, as empresas tendem a contar com mais mulheres nos cargos executivos, revela a EWoB.

Entre os setores onde há um maior equilíbrio entre homens e mulheres em cargos de liderança, destaca-se o setor tecnológico e dos media, seguido do financeiro e serviços de seguros. Em contraciclo está o setor industrial e de serviços.

Como é a paridade nas cotadas portuguesas?

Apesar de Portugal ter apenas quatro empresas no Stoxx 600, o país ocupa o 11.º lugar entre a lista de 17 países representados no índice de referência europeu, bem à frente da Alemanha, Espanha, Suíça e Luxemburgo. É na Noruega que há mais mulheres a tomar as rédeas das empresas, seguida de França e Suécia.

Portugal ocupa a 11.ª posição entre a lista de países com maior paridade de género do Stoxx 600. Ainda assim, não tem nenhuma mulher CEO nas quatro empresas cotadas.Fonte: European Women on Boards

De acordo com o relatório, das 20 empresas com melhor desempenho no que toca à paridade, sete são francesas, cinco são suecas, que está em pé de igualdade com o Reino Unido. Embora a Noruega tenha relativamente poucas empresas no índice (apenas 15), essas empresas tendem a obter uma boa pontuação e duas delas estão entre as 20 principais.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Só 30 empresas do Stoxx 600 cumprem regra da paridade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião