Wall Street em máximos à boleia da “Fase 1”

Impulsionado pelo otimismo em torno do acordo comercial com a China, mas também pelos resultados da Morgan Stanley, o S&P 500 ultrapassou pela primeira vez a barreira dos 3.300 pontos.

A assinatura do acordo comercial entre a China e os Estados Unidos, em conjunto com os resultados apresentados pela Morgan Stanley, acima do esperado, estão a puxar por Wall Street. Os índices de referência atingiram novos máximos históricos.

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, assinaram esta quarta-feira um acordo parcial, a “Fase 1”, prometendo para 2021 a “Fase 2”, para colocar fim a uma longa guerra comercial. Este passo elevou o otimismo dos investidores face às relações entre os dois países, mas também em torno do crescimento das respetivas economias.

O S&P 500 avança 0,45% para 3.304,25 pontos, superando, assim, a barreira dos 3.300 pontos, algo que acontece pela primeira vez. O índice de referência está a ser acompanhado pelo tecnológico Nasdaq que valoriza 0,57% para 9.311,09 pontos. A seguir esta tendência está também o industrial Dow Jones que soma 0,43% para 29.155,39 pontos.

Em destaque estão os títulos da Morgan Stanley, que somam 6,94% para os 56,60 dólares. O banco revelou que os lucros aumentaram 46% no quarto trimestre, em termos homólogos, conseguindo, assim, surpreender os analistas e os investidores.

Entre as tecnológicas, nota para a Apple, que segue a ganhar 1,10% para os 314,77 dólares, e para a Alphabet, dona da Google, que avança 0,30% para os 1.443,46 dólares, aproximando-se da fasquia do bilião em termos de valor de mercado.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street em máximos à boleia da “Fase 1”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião