EUA/China: “Fase Um” do acordo foi assinada com promessa de “Fase Dois” em 2021

  • Lusa
  • 15 Janeiro 2020

Acordo reduz tensões entre os dois países, removendo algumas sanções económicas dos EUA em troca de uma intensificação de compras de produtos agrícolas e energéticos norte-americanos pela China.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, e o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, assinaram esta quarta-feira um acordo parcial, prometendo para 2021 uma segunda fase do tratado, para colocar fim a uma longa guerra comercial.

O acordo reduz as tensões entre os governos norte-americanos e chinês, removendo algumas sanções económicas dos EUA em troca de uma intensificação de compras de produtos agrícolas e energéticos norte-americanos por parte da China.

“Este é um fantástico acordo para os Estados Unidos”, disse Trump, na cerimónia de assinatura da “Fase Um” do acordo comercial com a China, hoje realizada em Washington, embora tenha admitido que várias tarifas retaliatórias se manterão, até que haja um acordo para a “Fase Dois”.

Nos termos da “Fase Um” do acordo, a China compromete-se a comprar cerca de 200 mil milhões de euros em mercadorias dos EUA, especialmente no setor agrícola e no setor das energias, ficando também obrigada a respeitar procedimentos de transferência forçada de tecnologia e de propriedade intelectual.

Tivemos quase o acordo completo. Mas esta “Fase Um” é muito melhor. E iniciaremos a “Fase Dois”, que deverá estar pronta no próximo ano, que será fantástica”, disse o Presidente dos EUA, referindo-se ao processo de novas rondas de negociação com o Governo chinês.

O vice-primeiro-ministro chinês leu uma carta enviada pelo Presidente Xi Jinping, dirigida a Donald Trump, em que reconhecia que este acordo “é bom para os dois países (…) e permite resolver graves divergências”.

“Para manter a evolução do crescimento da economia dos dois países, são precisos esforços de ambos os lados”, acrescentou o Presidente chinês, na carta lida por Liu He.

“Espero que os Estados Unidos tratem com justiça as empresas chinesas”, concluiu Xi Jinping, referindo-se a matérias que ainda estão em discussão no processo negocial, nomeadamente as sanções impostas pelo Governo norte-americano à empresa tecnológica chinesa Huawei.

Trump procurou um tom conciliador, durante a cerimónia na Casa Branca, dizendo que entende a posição de negociação dura por parte da China e mostrou-se recetivo a “tudo fazer para que as divergências que ainda existem sejam superadas”, sem culpar diretamente a parte chinesa pelas dificuldades nas rondas de conversas diplomáticas.

“Eu não culpo a China. Culpo as pessoas que aqui (na Casa Branca) estiveram no passado”, disse Trump, acusando anteriores governos de nunca terem tentado um acordo comercial com a China.

Em resposta, o vice-primeiro-ministro chinês reconheceu dificuldades de relacionamento comercial, mas acrescentou que não vê “razões para que os dois países não possam trabalhar em conjunto”.

Liu He disse concordar com o Presidente Xi Jinping quando este diz que “há mil razões para os dois países se entenderem e nem uma única para que não se entendam”, salientando a “missão histórica” de conciliar interesses.

Minutos antes, Trump tinha-se referido ao trajeto histórico de relações comerciais entre os dois países, referindo os prejuízos que os Estados Unidos tinham sofrido.

“Os Estados Unidos perderam milhões de milhões de dólares e as empresas perderam muitos trabalhadores com os negócios com a China”, explicou Trump, para salientar a necessidade de um acordo estável.

“Em junho de 2016, no estado da Pensilvânia, eu prometi que protegeria, com todos os meus poderes, a economia dos Estados Unidos”, disse Trump, referindo-se ao processo negocial que disse pretender estender para uma “Fase Dois”, já no próximo ano, prometendo também uma viagem a Pequim, para iniciar as negociações para essa nova etapa.

“Este é um interessante jogo de xadrez”, disse o Presidente, referindo-se às rondas de negociações com a China, reconhecendo a sua dificuldade, mas dizendo estar confiante no seu resultado final.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA/China: “Fase Um” do acordo foi assinada com promessa de “Fase Dois” em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião