Salários mais baixos na Função Pública com aumento até 37,5 euros

A TVI avança que o Governo estará disponível para dar um aumento extra aos funcionários públicos, mas apenas aos assistentes técnicos e assistentes operacionais.

No Orçamento do Estado para 2020, o Governo acautelou uma verba para aumentar em 0,3% os salários da Função Pública, o que corresponde a um gasto de 60 milhões a 70 milhões.

O aumento está longe de agradar aos sindicatos que pediam uma subida mínima de 3%. O Governo entretanto já se mostrou disponível para negociar e para dar um aumento extra, além dos 0,3%.

O Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública convocou esta sexta-feira os sindicatos que representam os funcionários públicos para uma nova ronda negocial sobre os aumentos salariais, anunciou Alexandra Leitão, no Parlamento. Isto depois de os trabalhadores do Estado terem agendado greves e manifestações para o fim do mês.

A TVI avança, no noticiário deste sábado das 20h00, que os 3% pedidos pelos sindicatos estarão fora de questão, mas que o Governo estará disponível para dar um aumento extra aos salários mais baixos, ou seja, aos assistentes técnicos e assistentes operacionais.

Os assistentes operacionais, que ganham atualmente 635 euros, poderão ter um aumento de 37,5 euros, mas de forma faseada entre 2020 e 2021, relata a TVI.

Também os assistentes técnicos, que recebem 683 euros de remuneração, deverão ter uma subida extra faseada, mas a estação de Queluz afirma que neste caso o valor não está fechado.

Em 2019, apenas os funcionários públicos que estavam no último escalão da Tabela Remuneratória Única na Função Pública, – cerca de 70 mil que ganhavam 580 euros, – tiveram um aumento salarial, para os 635,07 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salários mais baixos na Função Pública com aumento até 37,5 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião