Governo convoca sindicatos para negociar aumentos salariais acima dos 0,3% na Função Pública

O Ministério da Administração Pública marcou uma reunião a 10 de fevereiro com os sindicatos que representam os trabalhadores do Estado para uma nova ronda negocial relativa aos aumentos salariais.

O Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública convocou os sindicatos que representam os funcionários públicos para um nova ronda negocial sobre os aumentos salariais, abrindo a porta a atualizações acima dos 0,3%, anunciou Alexandra Leitão, esta sexta-feira. Isto depois de os trabalhadores do Estado terem agendado greves e manifestações para o fim do mês.

“Estamos, neste momento, a convocar os sindicato para uma nova ronda negocial, cujo primeiro ponto dessa negociação será aumentos salariais“, garantiu a ministra, que está, esta manhã, a responder as perguntas dos deputados da Comissão do Orçamento e Finanças e da Comissão da Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local sobre o Orçamento do Estado para 2020. Alexandra Leitão assegurou ainda que essas novas reuniões serão marcadas para breve e adiantou que, nessa altura, dirá aos funcionários públicos “o que vai ser acrescentado aos 0,3%”.

Em dezembro, o Ministério da Administração Pública convocou os sindicatos para anunciar que, em 2020, os funcionários públicos veriam os seus salários aumentarem em linha com a inflação registada em 2019, isto é, 0,3%. Tal valor gerou, de imediato, cerradas críticas por parte dos representantes dos trabalhadores, que consideraram tal aumentou “vexatório”, “ofensivo” e “inaceitável”.

Em resposta, o Governo sublinhou que “foi até onde podia ir” neste reforço remuneratório, atirando para 2021 aumentos mais expressivos (pelo menos, 1%, em linha com a inflação prevista para 2020). Por sua vez, os sindicatos convocaram greves e manifestações para 31 de janeiro em protesto contra estes aumentos “ofensivos”.

Em reação a tal contestação, esta sexta-feira, a ministra da Administração Pública defendeu que os 0,3% “não a envergonham”, mas abriu a porta a aumentos acima dos 0,3%, anunciando que será convocada uma nova ronda negocial sobre aumentos salariais. Alexandra Leitão sublinhou que sempre foi dito que, assegurado o equilíbrio orçamental, haveria abertura para negociar um reforço remuneratório superior.

“Há margem para olhar para as várias posições remuneratórias, repor alguma proporção entre elas e não olhar apenas para a posição de entrada“, acrescentou a governante, deixando claro que, ao contrário do que aconteceu em 2019, os aumentos não se deverão ficar pelos salários mais baixos.

Alexandra Leitão frisou, além disso, que a verba necessária para este reforço dos aumentos remuneratórios já está acomodada no Orçamento do Estado.

Em declarações ao ECO os dirigentes da FESAP e do STE já reagiram a este anúncio, avançando que a reunião está marcada para dia 10 de fevereiro (ou seja, já depois da votação final global do Orçamento do Estado) e enfatizando, ainda assim, que o pré-aviso de greve será mantido.

(Notícia atualizada às 10h10)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo convoca sindicatos para negociar aumentos salariais acima dos 0,3% na Função Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião