Isabel dos Santos terá desviado mais de 100 milhões de dólares da Sonangol para o Dubai

  • ECO
  • 19 Janeiro 2020

Esquema de ocultação começou a ser montado a seguir à filha do ex-Presidente de Angola ter sido nomeada pelo pai para liderar a petrolífera estatal, avança o Expresso.

Isabel dos Santos terá feito com que a Sonangol, petrolífera para a qual tinha sido nomeada presidente pelo pai quando este ainda era o chefe de Estado de Angola, transferisse pelo menos 115 milhões de dólares de fundos públicos para o Dubai. A notícia é avançada pelo Expresso neste domingo, e resulta de uma investigações levada a cabo pelo semanário e pela SIC, e coordenada pelo consórcio internacional de jornalistas (ICIJ).

De acordo com o Expresso, esta transferência resulta de um esquema de ocultação que começou quando a filha do ex-presidente de Angola foi nomeada para a presidência da Sonangol, que envolveu um contrato celebrado no Reino Unido e que terá contado com a cumplicidade de vários portugueses, incluindo do atual chairman da NOS, o advogado Jorge Brito Pereira.

Justificadas como pagamento de serviços de consultoria prestados à Sonangol, segundo diz o semanário, essas transferências terão tido como destino uma conta bancária da Matter Business Solutions, uma companhia offshore controlada pelo principal advogado da empresária angolana, o português Jorge Brito Pereira, sócio da Uría Menéndez, o escritório de Proença de Carvalho.

A offshore do Dubai contratada por Isabel dos Santos enquanto presidente do conselho de administração da petrolífera estatal angolana tinha, além disso, como diretor o seu principal gestor de negócios, Mário Leite da Silva, e também como diretora e única acionista declarada às autoridades do Dubai a portuguesa Paula Oliveira, amiga próxima e sócia da filha do ex-chefe de Estado angolano noutras sociedades.

Do dinheiro que terá ido parar ao Dubai ao longo da segunda metade de 2017, 57.831.213,54 dólares terão sido pagos em três transferências executadas a 16 de novembro de 2017, já depois de a empresária angolana ter sido demitida da presidência da Sonangol, a 15 de novembro.

Essa quantia terá sido transferida a partir de uma conta da Sonangol em Lisboa no Eurobic, banco de que a empresária é a maior acionista. Dessas três transferências, uma terá sido de 38,1 milhões, outra de 15,3 milhões e uma terceira de 4,35 milhões de dólares, todas assinadas por Isabel dos Santos e por Sarju Raikundalia, braço direito da gestora na administração da petrolífera.

O Expresso adianta ainda que essas ordens de transferência tiveram como base um contrato de 10 de novembro em nome da Sonangol UK e foram suportadas por um conjunto de 63 faturas, enviadas ao gestor de conta do Eurobic. Estas faturas apresentariam informação muito escassa sobre os serviços de consultoria que teriam sido prestados à petrolífera, levantando dúvidas sobre o controlo e verificação dessas despesas pela empresa pública angolana.

O acordo assinado pela Sonangol UK obrigaria ainda a que a petrolífera angolana não pudesse exigir à Matter provas dos serviços prestados.

Estas revelações fazem parte do Luanda Leaks, uma investigação Expresso/SIC feita em equipa ao longo dos últimos oito meses com mais de 120 jornalistas do “Guardian”, da BBC, da televisão pública americana PBS, do “New York Times” e de mais 31 órgãos de comunicação social, e que foi coordenada pelo ICIJ.

Na base do Luanda Leaks está uma fuga de informação de mais de 715 mil ficheiros partilhada com o ICIJ pelo PPLAAF, uma plataforma de proteção a whistleblowers em África.

Esta notícia surge depois de, no final do ano passado, o Tribunal Providencial de Angola ter ordenado o arresto preventivo de bens de Isabel dos Santos, em Angola. E também depois de a 7 de janeiro, a Procuradoria-Geral da República (PGR) angolana ter admitido ao ECO a possibilidade de fazer o mesmo relativamente aos bens da empresária em Portugal.

(Notícia atualizada às 19H04)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos terá desviado mais de 100 milhões de dólares da Sonangol para o Dubai

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião